Tamanho do texto

Clube alvinegro firmou acordo comercial para explorar o Estádio Independência a partir de março

Depois de adotar uma postura mais cautelosa ao falar sobre o acordo do Atlético-MG com o Consórcio Arena Independência, o presidente atleticano, Alexandre Kalil, resolveu dar detalhes da negociação. O dirigente se mostrou bastante tranquilo em relação à legalidade da parceria firmada pelo clube com as empresas Ingresso Fácil e BWA Arenas.

Veja também: Confira a classificação atualizada do Campeonato Mineiro

"O Atlético-MG fez um negócio legal e para desmanchar contrato tem que provar que é ilegal, porque ninguém vai nos tomar nada, na marra não vai tomar nada do Atlético-MG. Se a BWA perder o contrato tem multa grande para pagar ao Atlético-MG", disse Kalil em entrevista à Rádio Itatiaia .

Leia também: Governo de Minas vai analisar contrato do Atlético-MG com a BWA

Presidente Alexandre Kalil diz que torcida do Atlético-MG pode comemorar acordo feito com a BWA
Bruno Cantini/Clube Atlético Mineiro
Presidente Alexandre Kalil diz que torcida do Atlético-MG pode comemorar acordo feito com a BWA
Kalil ainda explicou que confia tanto na parceria na administração do Independência, que o Atlético-MG vai investir cerca de R$ 8 milhões no estádio. Segundo ele, o time alvinegro tem torcida para lotar o estádio em todos os jogos, e que por isso, nos jogos em que o time não for mandante, as partidas não poderão ser realizas no Independência, caso, por exemplo, do clássico contra o Cruzeiro , quando o mando de campo for do rival.

"O Atlético-MG vai colocar, por baixo R$ 8 milhões de investimento no estádio, é o mínimo que pode exigir, porque vai jogar com a torcida engolida no canto, porque o América-MG é o detentor e tem seus direitos preservados. O Atlético-MG está botando dinheiro lá, é um negócio", afirmou o dirigente, que frisou que tudo foi feito dentro da legalidade.

"O que o Atlético-MG fez foi simplesmente tornar viável o futebol. O Atlético-MG é detentor de 45% de toda a renda do Independência, em qualquer jogo, exceto o do América-MG, que tem seu contrato particular com o governo. O Atlético-MG trabalhou duro e certo, consultando os órgãos todos. A BWA estava na praça e quem não quis agarrar é porque não pensou lá na frente. Já somos o time mais rico de Minas Gerais e vamos ficar mais ainda", concluiu.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.