Membros da Torcida Jovem deixarão o país escoltados e entrarão no Brasil por Foz do Iguaçu-PR

A Justiça paraguaia decretou, na última quinta-feira, a expulsão de 58 torcedores do Santos que foram presos em Assunção e depois julgados sob acusação de cometerem os crimes de lesão grave, perturbação da ordem e roubo . Eles foram detidos após o confronto do time brasileiro com o Cerro Porteño , no último dia 1º, pela semifinal da Copa Libertadores da América, e serão deportados do Paraguai.

A procuradora Silvana Luraghi informou, em entrevista coletiva, que os santistas liberados pertencem à Torcida Jovem, principal organizada do clube, e só conseguiram deixar a prisão agora após o advogado do consulado do Brasil, na capital paraguaia, conseguir reverter a prisão em pagamento de indenização aos proprietários de restaurantes danificados em San Lorenzo, cidade próxima à Assunção.

"Ao total, o consulado pagou o equivalente a US$ 20 mil (cerca de R$ 31,8 mil). Então, dois juízes que participaram do caso assinaram a sentença de dois anos de prisão com suspensão. Ou seja, (a pena) foi mudada para expulsão do país, mas durante os próximos dois anos eles não poderão entrar no Paraguai", afirmou Silvana Luraghi.

Julio Benítez, diretor do escritório de Imigração do ministério do Interior no Paraguai, afirmou que os torcedores deixarão o país escoltados até a fronteira com o Brasil, em Ciudad del Leste e Foz do Iguaçu-PR, que fica a 320km de Assunção.

Santistas estão presos desde quarta-feira da semana passada em Assunção, capital do Paraguai
EFE
Santistas estão presos desde quarta-feira da semana passada em Assunção, capital do Paraguai
Na época do ocorrido, autoridades locais disseram que os torcedores desceram de dois ônibus e promoveram quebra-quebra e roubos em restaurantes. No boletim de ocorrência, a polícia disse ter encontrado armas brancas no interior de um dos ônibus.

O Santos se classificou para a final da Libertadores após empatar por 3 a 3 com o Cerro Porteño , em Assunção, depois de ter vencido o duelo de ida por 1 a 0, no Pacaembu.

Antes da partida no Paraguai, um ônibus de santistas teve o vidro quebrado por pedras e o clima dentro do estádio também foi tenso. No intervalo do duelo, pedras e garrafas com urina foram lançados contra a torcida brasileira . Durante o segundo tempo do jogo, o técnico Muricy Ramalho foi atingido por um objeto atirado por torcedores do time paraguaio e chegou a ser atendido à beira do campo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.