Presidente da Fifa não gostou das reclamações feitas após o anúncia da Rússia e do Catar como sedes das Copas do Mundo de 2018 e 2022

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=esporte%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237882314169&_c_=MiGComponente_C

Após o anúncio da vitória russa na disputa para sediar a Copa do Mundo de 2018, a Inglaterra reclamou dos critérios usados pela Fifa (Federação Internacional de Futebol e Associados) para tomar essa decisão. Porém, nesta quarta-feira, o presidente da entidade, Joseph Blatter, criticou os ingleses e também negou qualquer possibilidade de corrupção.

"Para ser honesto, eu fiquei surpreso com os ingleses reclamando após a derrota. A Inglaterra é a mãe das idéias de fairplay", declarou Blatter, para depois polemizar: "Agora alguns deles estão mostrando serem maus perdedores", disparou.

A escolha das sedes para as Copas do Mundo de 2018 e 2022 começou a entrar em xeque depois que dois membros do Comitê Executivo da Fifa foram suspensos exatamente por corrupção. Eles não participaram da votação final, mas ainda assim o presidente da federação inglesa de futebol, Roger Burden, protestou contra o resultado final e disse que não pode confiar mais na entidade máxima do esporte.

De acordo com Roger Burden, o primeiro ministro inglês David Cameron e o Príncipe William ouviram promessas de votos antes da eleição, mas no final a Inglaterra só recebeu o apoio de dois membros. Blatter também protestou contra esse argumento. "Você não pode dizer depois que foram prometidos votos para a Inglaterra. Os resultados já são de conhecimento de todos e vieram de forma clara", comentou.

O principal argumento da Fifa para escolher a Rússia e também o Catar como sedes das próximas Copas é a vontade de explorar lugares onde o futebol não é tão forte. De acordo com Blatter, há quem veja problema nisso, o que o presidente da Fifa classificou como "arrogância".

O líder da candidatura inglesa para a Copa do Mundo, Andy Anson, deu a entender que Blatter chegou a influenciar os membros do Comitê Executivo para que eles não votassem na Inglaterra . Ele teria feito isso porque os recentes escândalos de corrupção na Fifa foram descobertos exatamente pela imprensa britânica.

Mas o presidente da entidade também negou veementemente essa possibilidade: "Não há corrupção sistemática na Fifa. Isso não faz sentido. Nós sómos financeiramente limpos e claros", disse Blatter, admitindo, porém, que a imagem da Fifa precisa ser melhorada após os acontecimentos negativos recentes.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.