Tamanho do texto

Segundo o jornalista Andrew Jennings, da BBC, cartolas receberam propina de empresa de marketing esportivo

Convidado para uma audiência na comissão de Educação do Senado nesta quarta-feira, o jornalista Andrew Jennings, da BBC, apresentou o material das suas reportagens aos parlamentares . Segundo o repórter, João Havelange, ex-presidente da Fifa, e Ricardo Teixeira, presidente da CBF (Confederação Brasileira de Futebol) teriam recebido US$ 60 milhões (R$ 106 mi) em suborno da empresa suíça ISL, que faliu.

VEJA TAMBÉM: Teixeira foi forçado a devolver dinheiro de propina, aponta BBC

“Não há provas conclusivas, mas é isso que podemos inferir. Poderemos saber mais daqui, no máximo, 12 meses, quando a Justiça suíça divulgar um acordo feito para restituir parte desses subornos”, afirmou Jennings aos senadores.

LEIA MAIS: Fifa decide revelar documentos que podem incriminar Teixeira

Jornalista Andrew Jennings é perseguidor da corrupção do futebol mundial
Gazeta Press
Jornalista Andrew Jennings é perseguidor da corrupção do futebol mundial
No acordo, os dois cartolas brasileiros teriam pagado quase R$ 4 milhões à Justiça suíça para devolver parte da quantia e não terem seus nomes divulgados. Segundo Jennings, Havelange recebeu US$ 50 milhões (R$ 88 mi) por meio da empresa Sicuretta, com base em Luxemburgo. Teixeira teria arrecadado cerca de US$ 10 milhões (R$ 17 mi), através da empresa Sanud.

Recado para Dilma
Na audiência, o jornalista inglês pediu aos senadores que peçam a presidenta Dilma Rousseff que retire o Teixeira do COL (Comitê Organizador Local da Copa de 2014). Jennings disse que pode mandar documentos ao governo federal.

“Me sinto muito honrado que a presidenta Dilma vá ler isso. Vou ficar aqui até sexta de manhã e espero que a Polícia Federal, investigando a evasão de impostos, venha falar comigo. Também gostaria muito de ajudar o secretário de Dilma. Eu aconselharia a todos vocês que se quiserem o respeito do mundo, investiguem esses problemas. Vocês deveriam excluir essas pessoas e selecionar pessoas honestas e limpas para gerenciar o futebol e a Copa do Mundo”, afirmou o repórter.