Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Jogadores do Vasco esperam clima tenso contra o Náutico em Recife

Dedé diz que time não pode aceitar provocação da torcida e Diego Souza fala em "beliscar" gol fora de casa

Hilton Mattos, iG Rio de Janeiro |

O Vasco já sabe bem o que lhe espera em Recife, nesta quarta-feira, contra o Náutico, nos Aflitos. Os jogadores acreditam que o espírito para o primeiro jogo das oitavas de final da Copa do Brasil será de guerra. É senso comum em São Januário que o estádio lotado e a pressão do adversário são ingredientes que tornarão a partida tensa.

“Nunca joguei lá, mas sei que eles botam muita pressão. Não podemos cair na pilha da torcida, que fará de tudo para nos desestruturar. Vamos conversar entre nós, para ignorar as provocações e jogar com tranquilidade”, disse o zagueiro Dedé.

Desta vez, o jogador se policiou. Na véspera da partida contra o ABC, na fase anterior do torneio, Dedé declarou que desconhecia o adversário, dando margem à hostilidade do torcedor em Natal.

Os jogadores treinaram pela manhã, em São Januário, almoçaram no clube e às 15h30 embarcam para a capital pernambucana. Jogar no Nordeste, segundo Diego Souza, é sempre uma guerra, pois o clima é de pressão antes e durante a partida. Experiente, o camisa 10, que volta à equipe, discursa sobre o que tem de ser feito para o Vasco se sair bem fora de casa e conseguir um bom resultado em Recife.

“Na Copa do Brasil, você não pode chegar lá fora achando que vai jogar de igual para igual. Porque aí você se abre, toma dois gols e na volta, aqui, bate um desespero que acaba te eliminando”, observou Diego, que cumpriu suspensão no sábado, contra a Cabofriense, pela Taça Rio.

Diego lembra que a obrigação de vencer é dos donos da casa. Com isso, se o Vasco souber explorar a ansiedade do Náutico, voltará dos Aflitos com um placar favorável para decidir a vaga no Rio, dia 27.

“Eles têm que sair para o jogo. O que a gente precisa fazer é jogar em cima do nervosismo deles e beliscar um gol no contra-ataque. Um golzinho fora será importante”, destacou o camisa 10.

A partir das oitavas de final, não há mais classificação direta se o visitante vencer por diferença de dois gols.
 

Leia tudo sobre: vascodedédiego souzacopa do brasil 2011

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG