Tamanho do texto

Atletas tentaram procurar o cartola antes de entregar a carta de reclamação para a imprensa

Os jogadores do Cruzeiro falaram pela primeira vez depois da polêmica carta entregue à imprensa , sobre os salários atrasados. Os atletas disseram que tentaram procurar o presidente Gilvan de Pinho Tavares para regularizar a situação, mas não tiveram uma resposta positiva e por isso decidiram pelo protesto.

Leia também: Cruzeiro paga salários atrasados, e Mancini cobra foco no Mineiro

O atacante Wellington Paulista , um dos líderes do movimento, falou sobre a carta. "Vou pedir desculpas a vocês (jornalistas), mas vou falar só uma vez sobre isso. A carta foi entregue para não falarmos disso. Tentamos o diálogo, não conseguimos, e por isso entregamos a carta", revelou o centroavante cruzeirense.

Paulista confirmou que os salários de dezembro já foram pagos . "A carta não foi sobre salário, todos sabem disso. O salário todos querem em dia. Ainda bem que está em dia, todos com dinheiro no bolso. Isso é o que queremos e o que todos os trabalhadores querem. Agora é estrear bem no Mineiro", disse o camisa 11.

O zagueiro Victorino confirmou a versão do colega do time. "Queríamos falar com o presidente, mas ele não podia vir falar conosco. Esperamos muito para liberar a carta, até o ponto que não deu para agüentar. O tema foi tratado internamente no grupo e também com a diretoria. Mas não tivemos resposta por parte do presidente e decidimos mandar a carta", disse o uruguaio.

Entre para a torcida virtual do Cruzeiro e comente a carta enviada para a diretoria