Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Jogadores do Atlético-MG entendem vaias depois de nova derrota

Time foi bastante vaiado na derrota para o Botafogo, a terceira nas quatro últimas partidas como mandante

Victor Martins, iG Belo Horizonte* |

Depois de nova derrota no Ipatingão, agora para o Botafogo , a terceira em quatro jogos, os jogadores do Atlético-MG foram bastante vaiados pela torcida. Nem mesmo o fato de estrear um novo treinador surtiu efeito na equipe, que mais uma vez atuou muito mal. Para o volante Serginho , que terminou a partida como lateral-direito, os atleticanos precisam saber conviver com a ansiedade que é gerada pelo momento ruim da equipe.

“Tivemos mudança de treinador, uma ansiedade dos jogadores dentro de campo é grande, momento é ruim, faltou tranquilidade, cabeça fria mais uma vez”, disse o camisa 7 do Atlético-MG, que acredita na mudança de postura da torcida nos próximos jogos. “Vaia sempre vai ocorrer, peço para que o torcedor sempre compareça, mesmo que seja para vaiar. Se Deus quiser no decorrer da competição vamos ter resultados diferentes e vamos ter o apoio deles”.

Siga o iG Atlético-MG no Twitter e receba todas as informações do seu time

O principal alvo da torcida contra o Botafogo foi o lateral-direito Patric . Longe de corresponder os mais de R$ 2 milhões investidos na sua contratação, o jogador perdeu a bola que originou o primeiro gol botafoguense, logo aos seis minutos. O meia-atacante Mancini , que já foi lateral e bastante vaiado pelos atleticanos saiu em defesa do companheiro.

Entre para a Torcida Virtual do Atlético-MG e convide seus amigos

“O grupo tem que estar junto com o Patric, um momento complicado. Mas não só o Patric. No time hoje nenhum jogador presta, todo mundo tem que ir embora. Pelo fato de que os resultados bons não estão vindo. Mas isso é normal, a gente entende o torcedor. A gente entende a decepção, a angústia e o sofrimento do torcedor. Patric tem que ter calma, vamos ajudá-lo”, disse o jogador, que no início da carreira chegou a ser emprestado para outros clubes, por conta da rejeição da torcida.

“Passei por situação complicado também. A torcida é exigente, clube complicado de se jogar, diferente. É ter perseverança, que só nós podemos sair dessa situação”.

Leia tudo sobre: Atlético-MGCopa Sul-Americana 2011

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG