Tamanho do texto

Técnico do Botafogo foi vaiado e chamado de burro ao substituir o apoiador Everton, que estava machucado

Chamado de burro e muito xingado depois da substituição de Everton por Alexssander , neste domingo, no Engenhão, o técnico do Botafogo , Joel Santana não fez críticas ao comportamento da torcida. Sua maior revolta foi por ser expulso de campo pelo árbitro Péricles Bassols, quando seu time já perdia por 2 a 0 para o Vasco e a torcida havia pedido a sua expulsão.

Joel afirmou que não deu motivos para ser expulso de campo, mas já demonstra preocupação com o que pode ser escrito na súmula. O treinador, certamente, será denunciado pelo Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJD).

null“Não quero falar de torcida. Ela vaia, xinga, bate palma, faz o que quiser. O que me aborreceu mesmo foi ser expulso. Se tivesse feito algo deselegante, que não fosse condizente com a disciplina que minha posição exige, tudo bem. Mas ser expulso sem falar nada? Mas a gente aprende”, disse Joel, que, ao deixar o campo se desentendeu com um torcedor e chegou a desafiá-lo.

Mesmo com a revolta da torcida, Joel reclamou apenas da perseguição a Somália. Para ele, é importante que o jogador receba apoio para poder voltar a render o futebol que um dia deixou os torcedores satisfeitos.

“Ele fez uma besteira (inventou um sequestro relâmpago para justificar uma falta). Mas vai carregar essa cruz o resto da vida dele? Com a vaia, ele vai murchando. Se for mandar embora todo mundo que a torcida pede, um monte vai. Quando cheguei aqui, segurei alguns que eles queriam fora. Fomos campeões e fizemos um grande ano. Só posso pedir paciência e que nos ajudem. Se não tivermos a torcida do nosso lado, estamos fritos”, comentou.

Somália, inclusive, seria substituído por Alexsandro. Mas Everton pediu para sair, com dores na coxa esquerda. Ele saiu de campo, conversou com Joel e atirou as caneleiras no gramado, como se demonstrasse irritação com o treinador. A torcida, sem saber o motivo da mudança, xingou Joel.

“Cada um entende como quiser. Ia fazer uma coisa e fui obrigado a fazer outra. Alguém tem que pagar a conta e, geralmente, é o treinador”, disse Joel, enigmático sobre a sua permanência no clube. “Só o futuro dirá”.