Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Joel Santana evita críticas aos torcedores e reclama de expulsão

Técnico do Botafogo foi vaiado e chamado de burro ao substituir o apoiador Everton, que estava machucado

Thales Soares, iG Rio de Janeiro |

Chamado de burro e muito xingado depois da substituição de Everton por Alexssander, neste domingo, no Engenhão, o técnico do Botafogo, Joel Santana não fez críticas ao comportamento da torcida. Sua maior revolta foi por ser expulso de campo pelo árbitro Péricles Bassols, quando seu time já perdia por 2 a 0 para o Vasco e a torcida havia pedido a sua expulsão.

Joel afirmou que não deu motivos para ser expulso de campo, mas já demonstra preocupação com o que pode ser escrito na súmula. O treinador, certamente, será denunciado pelo Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJD).

null“Não quero falar de torcida. Ela vaia, xinga, bate palma, faz o que quiser. O que me aborreceu mesmo foi ser expulso. Se tivesse feito algo deselegante, que não fosse condizente com a disciplina que minha posição exige, tudo bem. Mas ser expulso sem falar nada? Mas a gente aprende”, disse Joel, que, ao deixar o campo se desentendeu com um torcedor e chegou a desafiá-lo.

Mesmo com a revolta da torcida, Joel reclamou apenas da perseguição a Somália. Para ele, é importante que o jogador receba apoio para poder voltar a render o futebol que um dia deixou os torcedores satisfeitos.

“Ele fez uma besteira (inventou um sequestro relâmpago para justificar uma falta). Mas vai carregar essa cruz o resto da vida dele? Com a vaia, ele vai murchando. Se for mandar embora todo mundo que a torcida pede, um monte vai. Quando cheguei aqui, segurei alguns que eles queriam fora. Fomos campeões e fizemos um grande ano. Só posso pedir paciência e que nos ajudem. Se não tivermos a torcida do nosso lado, estamos fritos”, comentou.

Somália, inclusive, seria substituído por Alexsandro. Mas Everton pediu para sair, com dores na coxa esquerda. Ele saiu de campo, conversou com Joel e atirou as caneleiras no gramado, como se demonstrasse irritação com o treinador. A torcida, sem saber o motivo da mudança, xingou Joel.

“Cada um entende como quiser. Ia fazer uma coisa e fui obrigado a fazer outra. Alguém tem que pagar a conta e, geralmente, é o treinador”, disse Joel, enigmático sobre a sua permanência no clube. “Só o futuro dirá”.
 

Leia tudo sobre: BotafogoCampeonato Carioca 2011

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG