Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Internacional banca voo fretado para Abu Dhabi com venda de pacotes

Veja detalhes do planejamento do representante brasileiro no Mundial de Clubes da Fifa, que começa dia 8 nos Emirados Árabes Unidos

Marcel Rizzo, iG São Paulo |

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=esporte%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237881954078&_c_=MiGComponente_C

A preparação do Internacional para o Mundial de Clubes teve pré-temporada no meio do Brasileiro, trabalho diferenciado para adaptação à bola da competição, considerada uma Jabulani, a bola criticada da Copa de 2010, mais veloz e viagem a Abu Dhabi, palco do Mundial, para visitar instalações e definir o cardápio para os dez dias que a delegação ficará nos Emirados Árabes Unidos.

A logística previu uma peculiaridade que acabou gerando receita ao clube: o fretamento de um avião, que partirá de Porto Alegre no dia 8 e seguirá direto para Abu Dhabi (parando apenas em Lagos, na Nigéria, para reabastecimento). Em voo regular, a delegação teria que viajar do Rio Grande do Sul para São Paulo, de onde saem vôos regulares para Abu Dhabi.

Divulgação
Hotel no qual o Inter ficará hospedado na cidade de Abu Dhabi

Nós vamos ter mais comodidade e conseguimos pagar o vôo apenas com a venda de pacotes de jornalistas e torcedores que viajarão com a gente, explicou ao iG Adriano Loss, supervisor de logística do Inter.

O clube fechou com uma empresa espanhola. A Fifa custeia 35 passagens ¿ enviando dinheiro no valor de classe executiva. A delegação do Inter terá 50 pessoas e essa diferença foi paga pela venda dos pacotes. Serão pelo menos 50 jornalistas e 130 torcedores viajando com o clube. Alguns diretores e conselheiros foram convidados e a viagem será bancada com a sobra financeira. Não tiramos dinheiro do caixa do clube para a viagem, disse Loss.

O voo chega a Abu Dhabi no início da tarde do dia 9 de dezembro, cinco dias antes do primeiro jogo, dia 14, contra o vencedor de Pachuca, do México, e Mazembe, da República Democrática do Congo ¿ que se enfrentam dia 10. O clube estará hospedado no hotel Beach Rotana. Oos seis times de fora dos EAU ficam em diferentes hotéis, segundo a Fifa escolhidos por sorteio.

É um sorteio meio estranho, porque no ano passado o Barcelona ficou no Shangri-lá. Este ano a Inter (de Milão) está lá. Mas deve ser só coincidência, ironizou Loss. A Fifa banca 25 apartamentos a partir de cinco dias antes da competição começar até um dia depois do término. O Shangri-lá, dos hotéis credenciados pela Fifa, é considerado o mais confortável e tem uma estrutura de treinamento dentro do próprio hotel. Ou seja, os italianos não precisarão se deslocar para trabalhar no campo.

Já o Inter andará 8 km, ou 20 minutos com um trânsito razoável, do Beach Rotana o Sultan Min Bin Zayed Trainning City. É um centro de treinamento de primeiro nível, usado pelo exército do país. Tem um mini estádio, com dimensões idêntica a dos dois campões que vamos jogar. A grama também é do mesmo tipo, explicou Loss.

O hotel já recebeu as instruções sobre o cardápio que os jogadores utilizarão. O único ingrediente que a delegação levará do Brasil é feijão. Achei um pouco diferente o feijão, um pouco maior, mais grosso. Vamos levar 20 kg, disse Loss.

O retorno da delegação está agendado para o dia 19, um dia depois da final e da disputa de 3° e 4° lugares (o Inter faz duas partidas em Abu Dhabi mesmo se perder a semifinal). A volta será por Dubai, cidade mais turística dos EAU, localizada a 150km de Abu Dhabi. Quem comprou nosso pacote poderá conhecer Dubai, disse Loss.

Em campo
Se a logística está pronta, dentro de campo a preparação passou a ser voltada para o Mundial de clubes assim que o título brasileiro ficou inviável, há um mês. Os principais jogadores foram sacados das partidas e passaram por trabalho de preparação física, comandado por Fabio Mahseredjian, equivalente ao feito nas pré-temporadas.

Os exercícios foram os mesmo, mas com carga menrs do que fazemos em janeiro. Estamos em final de temporada e poderíamos machucar algum jogador, Mas eles estarão descansados e com o físico no ápice entre 14 e 18 de dezembro, data dos jogos, explicou Mahseredjian.

Para os jogadores que ficaram várias rodadas sem jogar recuperarem parte do ritmo, Roth os colocou em campo quinta-feira passada, contra o Grêmio Prudente, na última rodada do Brasileiro em jogo que foi adiantado a pedido da diretoria gaúcha.

Uma preocupação da delegação do Inter é a bola que será usada no Mundial. Fabricada pela Adidas, patrocinadora oficial da Fifa, a Speedcell tem características semelhantes à  Jabulani, bola bastante criticada durante a Copa do Mundo de 2010, na África do Sul.

Reprodução
Bola que a Adidas fez para o Mundial de Clubes e para o Mundial feminino

É uma bola feita para se fazer o gol. Vai contra o interesse do goleiro. Eu até brincava com os goleiros e dizia que depois de seis ou sete metros, ela toma um rumo diferente. Tem um chip antigoleiro, disse o técnico Celso Roth. O goleiro Renan, que deve ser o titular em Abu Dhabi depois de outros três (Lauro, Abbondanzieri e Muriel) serem testados criticou a bola, que também será usada no Mundial Feminino, em 2011 na Alemanha.

Para se adaptarem mais rápido, os treinamentos do titulares só eram feitos com ela, e não com a do Brasileiro, produzida pela Nike. Humberto Ferreira, auxiliar de Celso Roth, também preparou um estudo para que os atletas entendessem os efeitos dos chutes. Segundo especialistas explicaram a Ferreira, como a bola não tem várias divisões de gomos é mais lisa e, portanto, mais rápida. Em Abu Dhabi todos estarão adaptados à diferença de peso e como chutar para chegar com a força necessária, disse Ferreira.

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG