Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Independiente bate Goiás nos pênaltis, ganha a Sul-Americana e põe Grêmio na Libertadores

Partida no tempo normal e na prorrogação terminou em 3 a 1 para a equipe argentina. O atacante Felipe desperdiçou uma penalidade para o time brasileiro e decidiu o título

Gazeta Esportiva |

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=esporte%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237882351853&_c_=MiGComponente_C

A torcida do Grêmio pode, enfim, comemorar a sua vaga na Libertadores 2011. Tem que agradecer ao Independiente, da Argentina, que derrotou o valente time do Goiás e sagrou-se campeão da Copa Sul-Americana na noite desta quarta-feira. O título veio nos pênaltis, após vitória argentina por 3 a 1 no tempo normal

Nos 90 minutos, muito equilibrio, e em 17 minutos saíram os quatro gols do embate. Velázquez e duas vezes Parra marcaram para o Independiente, e Rafael Moura fez o gol do Goiás. Como o jogo de ida tinha sido 2 a 0 para os brasileiros e gol fora de casa não é critério de desempate na final, a decisão foi para as penalidades. Aí, deu 5 a 3 para os argentinos.

Agora, os goianos esperam um ano de 2011 sem o glamour da Libertadores, amargando apenas o Estadual, a Copa do Brasil e a Série B do Campeonato Brasileiro.

AFP
Matheu ergue taça da Sul-Americana, que levou o Independiente à Libertadores


O jogo
A partida começou com certa pressão do Independiente, aproveitando-se do posicionamento excessivamente defensivo dos goianos, que pouco se preocupavam em atacar. Os anfitriões, porém, não conseguiam entrar na área adversária tocando a bola, sempre esbarrando nos três zagueiros do rival.

Porém, aos 18 minutos, após falta boba cometida na entrada da área por Marcão, os argentinos cobraram em jogada ensaiada, Matheu acertou belo chute de primeira, mas parou em Harlei. Mas, no rebote, não teve jeito, e Velázquez fez o gol.

Quando tudo se encaminhava para uma pressão insustentável dos donos da casa, um lampejo de futebol esmeraldino. Wellington Saci desceu bem pela esquerda e cruzou na cabeça de Rafael Moura, que tocou muito bem e mandou no ângulo de Navarro, empatando a partida.

Na comemoração, bombas explodiram no banco do Goiás, dando o tom de pressão da torcida. Após a igualdade, os brasileiros voltaram a recuar e não corriam riscos até um lance inusitado. Depois de uma enfiada de bola, Ernando cortou, mas a bola acabou batendo em Parra e encobriu Harlei, fazendo o segundo dos argentinos.

Dez minutos mais tarde, em outro lance muito estranho, o terceiro dos rojos. Parra disputou bola com Marcão e, sentado, conseguiu desviar a bola, tirando o goleiro goiano do lance e levando o duelo empatado para o intervalo. Em meio à tudo isso, muita confusão e catimba no Libertadores de América, com três amarelos para o time da casa.

No segundo tempo, muita briga e mais equilíbrio. Os goianos foram melhores na primeira parte, perdendo mais a bola no ataque e tendo até um gol anulado de Otacílio Neto. Ainda quase marcaram uma quase pintura de Rafael Moura, que limpou dois adversário e só parou em boa defesa de Navarro.

AFP
Rafael Moura fez mais um gol e terminou como artilheiro do torneio


Pior na partida, o Independiente apostava nas bolas aéreas, mas esbarrava numa defesa mais tranquila e muito mais sólida dos esmeraldinos. Enquanto isso, Artur Neto colocava mais jogadores ofensivos, ampliando o domínio e vendo seu time dar o tom da partida. Mas o fato é que até os 35 minutos pouco aconteceu.

Aos 39, Rafael Moura girou bem e bateu de canhota no canto direito de Navarro, que fez mais uma boa defesa. Com o final se aproximando, o duelo ficava cada vez mais tenso. O Goiás, melhor na partida, ameaçava sempre que chegava com Rafael Moura, mas não conseguia chances muito agudas.

A última, e mais clara, foi quando Marcelo Costa desviou cobrança de lateral e Rafael Moura, livre de marcação, perdeu o gol que poderia dar o título ao Goiás no tempo normal. Mas não teve jeito, prorrogação em Avellaneda.

No tempo extra, os dois times se mostraram muito cansados. Porém, as melhores chances seguiram do Goiás, que ameaçou com Everton Santos e Felipe, mas parou em mais boas intervenções de Navarro.

No segundo tempo, mais boas chances para os goianos. Primeiro Rafael Tolói cabeceou sem goleiro, mas mandou na trave. Depois, Marcão aproveitou cobrança de escanteio e marcou, mas estava em impedimento. Porém, muito cansados, os times praticamente se arrastaram até os pênaltis.

Nas penalidades, grandes cobranças, e apenas uma falha. No sexto pênalti, Felipe bateu na trave, e viu os argentinos não errarem mais nada, sagrando-se campeões da Sul-americana.

Milton Trajano

FICHA TÉCNICA
INDEPENDIENTE (5) 3 X 1 (3) GOIÁS

Local:
Estádio Libertadores de América, em Avellaneda (Argentina)
Data: 08 de dezembro de 2010, quarta-feira
Horário: 22 horas (de Brasília)
Árbitro: Oscar Ruiz (Colômbia)
Auxiliares: Abraham González e Humberto Clavijo (ambos colombianos).
Cartão amarelo: Tuzzio, Mahteu, Velázquez e Navarro (IND); Tolói e Rafael Moura (GOI) Gols:INDEPENDIENTE:Velázquez aos 19, Parra aos 24 e 34 do primeiro tempo
GOIÁS: Rafael Moura aos 21 do primeiro tempo

PÊNALTIS: Converteram: Velázquez, Parra, Gracián, Matheu e Tuzzio (IND); Converteram: Tolói. Everton Santos e Rafael Moura Perdeu: Felipe (GOI)

INDEPENDIENTE: Navarro, Velázquez. Tuzzio, Matheu e Mareque; Cabrera, Battión, Fredes (Maximiliano) e Martínez (Gómez); Patrício Rodrígues (Gracián) e Parra
Técnico: Antonio Mohamed

GOIÁS: Harlei, Rafael Tolói, Ernando e Marcão; Douglas (Everton Santos), Amaral, Carlos Alberto, Marcelo Costa e Wellington Saci; Otacílio Neto (Felipe) e Rafael Moura.
Técnico: Artur Neto

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG