Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Grupo de torcedores oferece ajuda para pagar dívidas do Palmeiras

Eternos Palestrinos se reúnem com Tirone para ajudar com vencimentos como o de Valdivia, por exemplo

Danilo Lavieri, iG São Paulo |

O grupo conhecido como Eternos Palestrinos apresentou, em uma reunião na última segunda-feira, uma possível solução para que o presidente do Palmeiras , Arnaldo Tirone, atinja a sua meta de colocar as finanças do clube em ordem: criar um FDIC (Fundo de Investimento em Direitos Creditórios). A ideia serviria para que dívidas como as que a agremiação tem com o Banco Banif por causa de Valdivia , por exemplo, fossem sanadas. No caso do chileno, a carta de crédito custa mais de 6 milhões de euros.

Os membros desse grupo poderiam emprestar ao clube cotas que ainda serão determinadas e teriam como garantia os contratos que o time receberá a longo prazo, como o Adidas e da TV Globo, por exemplo. O limite de empréstimo ao clube seria o total de recebível a longo prazo do Palmeiras.

Siga o Twitter do iG Palmeiras e receba as notícias do seu time

Na prática, os torcedores funcionariam como um banco, emprestando dinheiro ao clube, mas cobrariam juros muito menores do que uma instituição financeira tem como praxe. Além disso, eles, assim como os bancos, também teriam uma garantia.

Sendo assim, o Palmeiras poderia quitar dívidas já existentes com juros maiores e dever para o grupo, que cobraria bem menos pelo empréstimo.

Conheça o aplicativo Torcida Virtual e coloque seu time em 1º

Gazeta Press
Dívida de Valdivia tira o sono de Arnaldo Tirone
Esse caso é parecido com a chegada de outros dois jogadores que estão atualmente no elenco: Valdivia e Danilo. No caso do zagueiro, esses torcedores ganharam algo em torno de 0,5% ao mês de lucro apenas, coisa semelhante a de uma caderneta de poupança. Até por isso, eles fizeram questão de explicar a Tirone e ao vice-presidente financeiro, Walter Munhoz, que também estava na reunião, que a intenção deles não é usar o clube para ganhar dinheiro. Outras práticas de mercado dariam um retorno muito maior do que esse com o mesmo montante investido.

Ao mesmo tempo, o Palmeiras também deve dinheiro para esse grupo. Cerca de R$ 1,8 milhão foram arrecadados pelo grupo em forma de cotas de R$ 25 mil para que Valdivia voltasse ao Palestra Itália. Na época da negociação, que foi feita pelo então presidente Luiz Gonzaga Belluzzo, o prazo para que a dívida fosse quitada era de três anos. Eles ouviram de Tirone que os compromissos serão honrados.

Segundo pessoas que estiveram na reunião de segunda-feira, Tirone ainda não aceitou a proposta. O presidente do Palmeiras disse que precisaria ouvir seus vice-presidentes e pessoas que podem lhe dar conselho, mas que a tendência é que a opção seja praticada.

Leia tudo sobre: palmeirastironeeternos palestrinosvaldivia

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG