Argentino agora disse que o presidente da AFA liberou jogadores para consumirem qualquer substância

Diego Maradona voltou, nesta quinta-feira, a alimentar a polêmica contra o presidente da AFA (Associação do Futebol Argentino), Julio Grondona. Ele revelou que o dirigente avisou aos atletas que não haveria exame antidoping na repescagem para a Copa do Mundo de 1994, contra a Austrália. A informação tem sido negada constantemente desde que o ídolo argentino levantou a polêmica .

"Grondona nos disse uma semana antes que poderíamos consumir a substância que quiséssemos porque não seriam realizados exames antidoping", declarou Maradona, em declarações à emissora "Rádio Metro", de Buenos Aires, sem citar nomes dos possíveis dopados.

"Não sei quem tomou. A única coisa que sei é que eu fiquei caminhando com Claudia (esposa do ex-jogador) até as 8 da manhã por toda a Austrália e que também houve vários jogadores que não conseguiram dormir, não sei o porquê", acrescentou 'El Pibe'.

Maradona revelou ainda que os atletas estavam cientes de que consumiram um "café turbinado" e disse que está disposto a conversar caso algum ex-companheiro de seleção tente desmenti-lo. "Os que quiserem discutir comigo sabem onde moro. Que eles não se façam de (Madre) Teresa de Calcutá, porque quando tiveram que cobrar o prêmio pela classificação, usaram o carro mais rápido que encontraram", disparou.

Grondona, que além de presidente da AFA é vice-presidente da Fifa, disse esta semana que chegou a um acordo com a Austrália para que não houvesse exames antidoping nas partidas disputadas em Sydney e Buenos Aires em 1993 para proteger Maradona.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.