Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Grêmio reduz lesões, corre certo e tem confiança com Paulo Paixão

Ao completar 54 dias de clube, preparador físico divide méritos do trabalho com Celso Roth

Hector Werlang, iG Porto Alegre |

Gazeta Press
Parceria de sucesso: Paixão (E) e Roth fazem bom trabalho no Grêmio
Ele dispensa apresentação, afinal, ostenta um currículo com 20 títulos, entre eles três do Mundo e três da América. Porém, é o nome menos exaltado na recuperação do time no Brasileirão. Muito pelo perfil modesto com o qual conduz vida e obra.

Entre para a Torcida Virtual e convide seus amigos

Twitter iG Grêmio: Notícias e comentários em tempo real

Paulo Paixão, 60 anos, resume em uma frase o começo da sua quarta passagem pelo Grêmio :

“Não faço milagre, amigo. São apenas 40 dias (54, na verdade) no clube! É muito cedo para fazer alguma festa”.

Dá, entretanto, para perceber diferença. Contratado com Celso Roth para evitar o rebaixamento , o preparador físico reduziu o número de lesões musculares, ajudou a fazer o time a “correr certo” e trouxe de volta a confiança do vestiário – antes comandado por Julinho Camargo e Flávio de Oliveira .

“A chegada do professor Celso personalizou a equipe. A melhora tática deu segurança ao atleta para correr certo. No jogo com o São Paulo, por exemplo, Douglas deu um pique de 60 metros no final segundo tempo. Sabe como? Bem posicionado, poupou energia. Estava preparado para isso”, comentou o fisicultor.

O que significa personalizar o time? Na lógica de dividir méritos, Paixão aponta a necessidade de o jogador olhar o comando técnico firme e forte e reconhecer a capacidade dos profissionais. Roth também deixou claro a importância do preparo físico:

“Quando assumi, as duas primeiras semanas foram de prioridade física. O Paulo, com competência, preparou os atletas para diversas situações. Marcação sob pressão, meia pressão, com bola, sem bola...”.

O treinador teve a vantagem de ter número pequeno de lesões. Desde que assumiu, apenas Gilberto Silva e Lúcio sofreram problemas musculares. Bem diferente das mais de 20 apresentadas no primeiro semestre .

"É todo um contexto. A lesão, comum em todos os clubes, depende se o atleta dormiu bem, se alimentou direito, se tem problemas psicológicos. Não cabe só ao preparador", ressalta Paixão.

Será assim, então, que o Grêmio tentará manter a boa fase no Rio de Janeiro. No sábado, desafia o Vasco.

Leia tudo sobre: grêmiobrasileirão 2011paulo paixão

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG