Aos 16 anos, atacante terá treinamento especial e vira alternativa em carente setor da equipe de Roth

Mamute (D) tem 16 anos e foi alçado aos profissionais
Lucas Uebel/Site oficial do Grêmio
Mamute (D) tem 16 anos e foi alçado aos profissionais
A primeira oportunidade foi em junho , ainda com Renato Gaúcho. A segunda, quase três meses depois, veio com Celso Roth. Após uma semana de treinos, Yuri Mamute convenceu o treinador: está definitivamente integrado ao profissional do Grêmio . Só com 16 anos.

Twitter iG Grêmio: Notícias e comentários em tempo real

O caso foi definido por uma série de situações. Há nova política para melhor aproveitar as categorias de base. Leandro, atual reserva, disputará os Jogos Pan-Americanos pela seleção brasileira e abriu vaga no elenco. O ataque está carente de melhor desempenho, afinal, é o segundo pior do Brasileirão. E, claro, tem a qualidade do garoto.

“Ele está aqui para ser alternativa. Tem muito a aprender, é verdade, porém, tem qualidades boas que pretendemos melhorá-las. Especialmente as técnicas pois o perfil físico está ótimo. Portanto, não volta mais para a base. Muitas coisas ainda vão acontecer com ele. Tenho boas expectativas”, avaliou Roth.

No treino de sexta-feira, por exemplo, enquanto Roth ensaiava cobranças de falta com os titulares e reservas , Mamute treinou finalizações a gol. O auxiliar Beto Ferreira jogava bolas ao alto e o atacante tinha de concluir de primeira. Mostrou muita força e qualidade nos chutes. Era possível ouvir o barulho do impacto do pé na bola apesar da distância. Na quarta, o garoto tinha participado por 10 minutos do trabalho tático.

Mamute é comparado a Anderson, jovem revelado pelo Grêmio e atualmente no Manchester United. Apesar de posições diferentes, os atletas têm porte físico semelhante e são do mesmo bairro carente de Porto Alegre, o Rubem Berta. O apelido Mamute, claro, tem a ver com o porte físico.

Descoberto no Social Futebol Clube, um projeto da prefeitura da cidade, com 12 anos, Mamute causou preocupação no Grêmio. Havia temor de perdê-lo para clubes europeus antes de assinar contrato profissional, o que aconteceu nesta temporada. Para mantê-lo, a direção ofereceu salário, alugou um apartamento para a família e empregou a mãe no Olímpico.

Resta observar o desempenho dele em campo nos profissionais...

Entre para a Torcida Virtual e convide seus amigos

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.