Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Gramados ruins são mais um obstáculo para o Cruzeiro

Tanto em Téofilo Otoni, no interior de Minas Gerais, quanto em Ibague, na Colômbia, condições do campo preocupam

Frederico Machado, iG Belo Horizonte |

O Cruzeiro enfrenta, no próximo sábado, o América-TO, em Teófilo Otoni. A preocupação do elenco quanto ao gramado do estádio Nassri Mattar é grande já que, no ano passado, o Atlético-MG passou por dificuldades no Vale do Mucuri. E os gramados ruins não são privilégios do Campeonato Mineiro, já que o próximo jogo pela Copa Libertadores será em um estádio muito criticado pelos jogadores do Corinthians, na Colômbia.

No Campeonato Mineiro de 2010, o jogo entre América-TO x Atlético foi marcado por polêmicas. Choveu muito na ocasião e a drenagem do campo deixou a desejar, com a formação de muitas poças de água que praticamente inviabilizaram a prática do futebol. No segundo tempo, o atacante Diego Tardelli sofreu uma contusão muscular, deixando os atleticanos irados, já que pediam a interrupção da partida por conta da chuva.

Reprodução/Jornal Líder dos Vales
Drenagem do Estádio Nassri Mattar não funcionou no jogo entre América-TO x Atlético-MG, no ano passado
O atacante Wellington Paulista, do Cruzeiro, disse não saber como estão as condições do gramado, mas não se surpreenderá se não encontrar o famoso “tapete”. “Não sei como esta o gramado de lá. O estádio do Villa Nova (Castor Cifuentes, em Nova Lima) estava muito ruim e até os jogadores deles estavam reclamando”, disse o centroavante.

O argentino Farías, que está conhecendo os campos do interior de Minas Gerais agora, reconhece que os gramados deixam a desejar. “Penso que poderiam ser melhores. Gostaria que os clubes tivessem mais recursos para proporcionar um espetáculo melhor para a torcida”, ressaltou.

Para o meia Roger, é uma pena que os gramados do interior não reúnam as melhores condições. “É gostoso estar no interior. Fico triste de ver estádios e gramados em condições precárias. Quando um time grande vai para essas cidades, é um espetáculo único para esse torcedor, que acontece poucas vezes no ano”, analisou o experiente armador.

Já o lateral Diego Renan lembrou-se também dos riscos de lesões. “Sabemos que existem alguns gramados irregulares e que temos que ter cuidado para não machucar sozinho. Mas não podemos pensar nisso, senão não ganhamos o jogo”, ponderou.

O goleiro Fábio até deu um conselho para os dirigentes de clubes do interior. "Se eu fosse dirigente, colocaria uma propaganda de uma empresa de jardinagem em uma placa de publicidade para que ela pudesse cuidar do gramado o ano inteiro", receitou o capitão do Cruzeiro.

Falta de preparo
Segundo os especialistas, gramados bem cuidados não tendem a sofrer tanto com a realização de jogos durante o período de chuvas. “Os gramados que somos responsáveis são preparados para esse período de chuvas desde o ano anterior. Se você faz um trabalho de drenagem especial, as chuvas em nada atrapalham e até ajudam no crescimento e fortalecimento da grama. Como você explica o fato de alguns campos, com carga muito maior de jogos, suportarem as chuvas, e outros que recebem menos partidas estarem em condições sofríveis?”, questiona o ex-jogador Alves, responsável pelos gramados da Administração dos Estádios do Estado de Minas Gerais (ADEMG) .

Alves explica que a manutenção de um gramado não é cara e que o problema não estaria no investimento para isso, e sim na mentalidade dos responsáveis por esses estádios. “O que acontece nesses campos do interior não está relacionado ao investimento. Gasta-se muito pouco com a manutenção de um gramado e os clubes do interior poderiam arcar com isso tranquilamente. O que acontece é que, na maioria das vezes, existe uma pessoa que já cuida daquele gramado há anos, não se recicla, e só se importa em ver a grama verdinha. Existe uma falta de preparo para cuidar desses gramados, pois existem técnicas que estão ao alcance de todos e não são caras”, conclui.
 

Libertadores
Na próxima quarta-feira, o Cruzeiro viaja até Ibague, na Colômbia, para enfrentar o Deportes Tolima. Lá, encontrará um gramado muito criticado por Ronaldo, ex-atacante do Corinthians. Depois da precoce eliminação na pré-Libertadores, o Fenômeno disparou contra a Conmebol. “É inadmissível que a Conmebol aceite um campo desses, mas não é nenhuma desculpa que estou querendo arrumar. Nosso time não foi bem em nenhuma das duas partidas e fomos eliminados”, disse o agora aposentado atacante.
 

Leia tudo sobre: CruzeiroCampeonato Mineiro 2011

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG