Dinheiro será usado nas cidades-sedes para projetos de mobilidade e infraestrutura, que já geraram críticas da Fifa

Número 1 da Fifa, Joseph Blatter, esteve com a presidenta Dilma Rousseff em julho, no Rio de Janeiro
Getty Images
Número 1 da Fifa, Joseph Blatter, esteve com a presidenta Dilma Rousseff em julho, no Rio de Janeiro
O Governo Federal recuou e decidiu liberar verba do FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço) para obras de mobilidade e infraestrutura relacionadas à Copa do Mundo de 2014 . A decisão foi publicada nesta quarta-feira no “Diário Oficial” e a Caixa Econômica Federal (que administra o FGTS) vai liberar até R$ 4 bilhões, incluídos no PAC 2 (Programa de Aceleração do Crescimento).

Leia mais : Cartola ainda vê Copa apoiada em investimento privado

O dinheiro poderá ser investido em obras nas 12 cidades-sede da Copa do Mundo de 2014, em projetos que já foram apresentados. Entre os destaques estão a construção de corredores de ônibus, monotrilhos e veículos leves sobre trilhos (VLT), além de novas avenidas para facilitar o acesso aos estádios – caso do prolongamento da avenida Jacu Pêssego, em São Paulo.

Tabela : Veja todos os jogos da Copa 2014

A presidenta Dilma Rousseff, em meados de dezembro, havia rejeitado a proposta de liberar dinheiro do FGTS para as obras do Mundial. O recuo foi o atraso na maioria dos projetos, que precisam engrenar principalmente nas cidades que receberão a Copa das Confederações, já em 2013 (Brasília, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Salvador, Recife e Fortaleza).

O Governo divulgou em novembro que das 49 obras de locomoção estimadas para as cidades-sedes, apenas nove tiveram início. A Fifa, que organiza a Copa do Mundo, tem reclamado publicamente do atraso nas obras dos estádios, mas principalmente nas de infraestrutura.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.