Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Governo se irrita com declarações de Blatter, mas não deve responder

Ministro do Esporte, Aldo Rebelo esteve em Manaus nesta sexta. Interlocutor do governo com a Fifa vai reclamar com entidade

Paulo Passos, iG São Paulo |

A declaração do presidente da Fifa, Joseph Blatter, de que a entidade quer “quer mais atos, e não mais só palavras” do Brasil na organização da Copa do Mundo irritou o Governo Federal. Escolhido pela presidenta Dilma Rousseff como interlocutor com a Fifa, Aldo Rebelo, ministro do Esporte, esteve em Manaus nesta sexta-feira e passará o final de semana em São Paulo. Ele não se pronunciou sobre as declarações e deve colocar panos quentes no caso.

Deixe o seu recado e comente a notícia com outros torcedores

AP
"Queremos atos, e não mais só palavras”, afirmou Blatter sobre organização da Copa de 2014
O iG apurou que, apesar disso, o governo irá cobrar a Fifa sobre as palavras duras. Durante a visita de Blatter a Brasília há duas semanas , ficou acertado que tanto governo quanto a entidade evitariam críticas públicas. O lema seria justamente o que Blatter disse na Suíça, que a partir de agora as duas partes iam trabalhar mais junto e falar menos.

Mesmo com novos atrasos na votação da Lei Geral da Copa, a entidade havia se calado sobre o assunto. Em entrevistas recentes, Blatter disse que a Copa seria “excepcional” e que ouviu garantias da presidenta Dilma.

VEJA TAMBÉM: Blatter diz que Brasil precisa fazer mais e falar menos


Nesta sexta-feira, entretanto, o número 1 da entidade máxima do futebol mandou um recado para o governo brasileiro e afirmou que Jérôme Valcke será o seu interlocutor Brasil. “Valcke já pediu desculpas. Não há nenhuma mágoa nesse sentido por parte do governo, e este assunto está encerrado”, respondeu sobre o veto dos brasileiros a Valcke.

No início de março, Valcke afirmou que o Brasil precisava de um “chute no traseiro para acelerar” a organização da Copa do Mundo. A declaração irritou o governo, que chegou a divulgar que o dirigente não seria mais aceito como interlocutor da Fifa.

LEIA MAIS: Sem liberação para bebidas, deputados aprovam Lei Geral da Copa


Valcke é o principal executivo da organização do Mundial. Foi assim na África do Sul. Assim como no Brasil, não poupou os africanos de críticas durante a organização do torneio.

O incidente com o governo brasileiro levou Valcke a adiar uma viagem ao Brasil, que, segundo a Fifa, deverá acontecer nos próximos meses.


 

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG