Governo não será avalista de estádio para Copa 2014, diz ministro

"Estádio é assunto das prefeituras e dos governos estaduais. Nosso limite é empréstimo através do BNDES", declarou Orlando Silva

AE | 05/04/2011 22:01

Compartilhar:

selo

O Palácio do Planalto não pretende se tornar avalista da construção do estádio Itaquerão nem de qualquer outra arena da Copa do Mundo de 2014, disse nesta terça-feira o ministro do Esporte, Orlando Silva, após audiência pública da Comissão de Turismo e Desporto da Câmara dos Deputados.

Na segunda-feira, o Portal 2014 - que se define como um "veículo de informações concebido pela Editora Mandarim e pelo Sinaenco (Sindicato Nacional da Arquitetura e da Engenharia)" - noticiou que o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) não aceitou as garantias financeiras do Corinthians e da Odebrecht para o empréstimo de R$ 400 milhões, o que faria o governo federal se tornar avalista do estádio.

"Não há nenhum interesse do governo federal em ser avalista de nenhum estádio no Brasil, estádio é assunto das prefeituras e dos governos estaduais. O nosso limite é empréstimo através do BNDES", afirmou Orlando Silva. A cidade de São Paulo enfrenta uma das situações mais problemáticas no cronograma; o ministro classificou o tema "insuficientemente resolvido".

Acordo celebrado em janeiro de 2010 estabeleceu a responsabilidade dos governos federal, estaduais e municipais nas obras e empreendimentos necessários à realização da Copa do Mundo. São estimados investimentos de R$ 17 bilhões nas 12 cidades sede do campeonato, destinados à projetos de mobilidade urbana e construção e reforma de estádios. Desse total, R$ 6,3 bilhões serão bancados pelo governo federal, R$ 3,9 bilhões pelos Estados e R$ 1,4 bilhão pelas prefeituras. Além disso, o governo federal se comprometeu a financiar empreendimentos de R$ 10,7 bilhões por meio da Caixa Econômica Federal e do BNDES.

    Notícias Relacionadas


    Ver de novo