Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Gols e entrevistas tímidas tornam Patrik o novo xodó do Palmeiras

Meia já acumula seis gols em 2011 e ainda mostra dificuldades na hora de fazer entrevistas de TV e rádio

Danilo Lavieri, iG São Paulo |

O bom ambiente que o Palmeiras vive no momento por causa da longa invencibilidade torna possível a criação de novos xodós. O nome da vez na Academia de Futebol é o de Patrik. O garoto de 20 anos ainda não tem a categoria para dar entrevistas e responder frases de impacto, mas aproveita de sua timidez para se tornar uma figura querida entre jogadores e comissão técnica.

O ritual é sempre o mesmo. Desde a sua primeira coletiva, no Brasileirão do ano passado, quando o time enfrentou o Ceará, Patrik sofre com a aproximação dos microfones. Tímido, ele responde com o menor número de palavras possíveis às perguntas da televisão e evita o contato direto com a câmera. “Estou muito feliz com o momento aqui” é a frase mais ouvida.

Depois disso, chega a hora das entrevistas com os rádios, quando ele consegue desenvolver um pouco melhor o seu pensamento, apesar de não soltar grandes frases. “Ele passa os treinamentos normais e pede para termos personalidade dentro de campo”, é um bom exemplo da desenvoltura do meia.

Gazeta Press
Clima no Palmeiras no começo da temporada é mais ameno que em 2010

Assim que fica apenas com os jornalistas que trabalham para internet e jornal, Patrik se solta. Sem microfone e câmeras, ele deixa o espírito mais jovem aparecer e se permite até a fazer piadas.

“Ah, cara, eu não vou mais lá para o banco de reservas. Minha cabeça já está inchada de tanto tomar tapa. Lá só tem traíra”, diz o meia aos risos, para depois revelar o alívio por finalmente balançar as redes.

“No ano passado, o Leandro Amaro marcou e eu já fiquei louco. Depois foi a vez do Rivaldo e aí eu pensei que estava ferrado. Ainda bem que esse ano eu estou fazendo mais gols. Mas não dá para chegar na artilharia. Eu marco um, o Kleber vai lá e faz dois”, brinca o jogador.



Na hora de falar sério, Patrik admite que não esperava ser titular tão rápido e que não cansa de trabalhar para continuar em alta com Felipão, Murtosa e até mesmo Kleber, a quem considera um pai pelo jeito que foi acolhido.

“É assim que nem o Felipão fala. Nós, jovens, corremos para os mais experientes darem o toque final. Eu, Vinícius, Tinga e outros temos que correr para eles. Estou muito feliz com o momento que eu estou vivendo aqui”, disse o jogador, para depois se despedir de um por um com um cumprimento tradicional entre os mais jovens.

Patrik não se considera titular absoluto e partilha da mesma visão de Felipão. Um time com Lincoln, Valdivia, Patrik e Kleber conseguiria fazer vários gols por jogo, mas teria dificuldades na hora de marcar. Agora, o próximo adversário é o Bragantino, e uma vitória pode garantir uma vaga na próxima fase. Ele deve ser titular e, provavelmente, terá Lincoln mais uma vez a seu lado.

Leia tudo sobre: palmeiraspatrik

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG