Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Goleiro e atacante são as maiores promessas do Inter na Copa SP

Gaúchos buscam o pentacampeonato; em 2008, garotos chegaram na semifinal, mas último título foi em 1998

Gabriel Cardoso, iG Porto Alegre |

O Internacional vai buscar o pentacampeonato na edição de 2011 da Copa São Paulo de Futebol Júnior. A estreia na competição será nesta quarta-feira (dia 5) contra o Primeira Camisa-SP, às 16 horas. O Inter está no grupo Q da Copinha, com sede na cidade de Piracicaba. O XV de Piracicaba-SP e o 7 de Setembro-MS completam a chave. O clube gaúcho é o terceiro maior vencedor da competição, com 4 conquistas. O último título foi em 1998. Recentemente, o Inter foi semifinalista em 2008.

“Estamos em um bom nível, alguns atletas já jogaram de 40 a 50 partidas no ano, então estão em um bom ritmo de jogo. Esperamos que na Copa São Paulo venham os resultados que não vieram em algumas competições como o brasileiro Sub-20. Tivemos produtividade, mas não conseguimos transformar em gols”, diz o técnico James Freitas.

Doze jogadores do grupo da Copa São Paulo participaram do Brasileirão sub-20, competição em que o Inter foi eliminado na primeira fase, apesar de ter saído invicto. A esperança agora é de um melhor resultado final.

Gabriel Cardoso
Opostos na altura, Felipinho e Alisson são os destaques do Inter na Copa São Paulo

“O Inter sempre que entra em uma competição tem como o objetivo o título, e na Copa São Paulo não será diferente. Sabemos que os times grandes de São Paulo tem uma preparação muito boa, e por isso não entramos como favoritos, mas temos condições, conta James Freitas.

A escalação para o início do campeonato deve ser a seguinte: Alisson, Tinga, Rambo, Palmito e Paulinho; Maiquel, José Mário, Fred e Marquinhos; Felipinho e Giovani. Dois jogadores são os destaques do time. O goleiro Alisson e o atacante Felipinho. Confira abaixo a história de cada um:

Alisson começou a jogar futebol porque era alto

Na maioria das vezes, chegar a uma carreira profissional no futebol é muito difícil. É o sonho da maioria dos garotos brasileiros, e por isso, a concorrência é muito grande. No Inter, o goleiro Alisson Ramses Becker, uma das promessas da Copa São Paulo de Futebol Júnior, teve um início diferente no futebol.

“Meu irmão jogou no Novo Hamburgo e no Grêmio, até que uns dirigentes do Inter foram lá em casa para convidar ele a jogar no Inter. Então eles me viram, perceberam que eu tinha uma boa estatura e resolveram me convidar também. Com 9 anos eu entrei no Inter, joguei um pouco como volante e depois fui para o gol”, conta Alisson.

Foi pela altura que Alisson (18 anos) recebeu a primeira chance no futebol. O irmão Muriel, 5 anos mais velho, também é goleiro do Inter, e será titular pelo time b no início da temporada. Alisson ainda está um estágio atrás, será o goleiro titular na Copa São Paulo, mas também já tem se destacado no estádio Beira-Rio.

“É um goleiro rápido, seguro e com grande potencial. Acho que tem toda a condição de representar o time principal do Inter no futuro e até mesmo pensar em seleção principal”, elogia James Freitas, técnico do time júnior do Inter.

Com 1,91m, Alisson joga há 9 anos pelas categorias de base do Inter. E nos últimos quatro anos também veste a camisa da seleção brasileira nas categorias menores. Ele sabe que a concorrência para ser goleiro do time profissional do Inter é muito grande, e por isso admite que o futebol europeu possa ser um caminho mais viável. Um sonho que ele mantém desde pequeno.  

“Tem vários jogadores que fizeram sucesso na base, mas que acabaram não conseguindo oportunidades no time principal, então eu procuro manter a cautela. Sempre penso em carreira na Europa, o futebol está cada vez mais precoce. Fico imaginando jogar uma final de Champions League com estádio lotado”, projeta.

Felipinho foi apontado por Alexandre Pato como seu sucessor

Gabriel Cardoso
Felipinho (de colete laranja) durante treino do Inter
Quando deixou o Inter em 2007 Alexandre Pato surpreendeu a todos e apontou um garoto de 15 anos como seu sucessor: Felipe Barreto da Silva, o atacante Felipinho. Três anos depois o garoto segue se destacando, agora já faz parte do time júnior do Internacional e é uma das promessas para a Copa São Paulo de Futebol Júnior.

Quem chega ao estádio Beira-Rio e não conhece o garoto, logo acaba identificando ele no treinamento das categorias de base. “É aquele mais baixinho, de chuteira rosa”, aponta um funcionário do clube.

Realmente a chuteira de última geração, que custa até R$ 800, chama a atenção. A pouca altura (1,66m) do atacante também se destaca, mas é com a bola no pé que Felipinho faz a diferença. Ele está desde os 10 anos no Inter, fez parte de todas as categorias de base da seleção brasileira. Na época que foi indicado por Alexandre Pato estava na sub-15, agora já integra o Brasil sub-18.

Felipinho sempre teve uma carreira precoce. No início de 2010, com 17 anos, já foi titular do Inter na Copa São Paulo e marcou 2 gols nos 3 jogos da equipe na competição. O Inter, entretanto, foi eliminado na primeira fase.

“Eu espero o título, este é o objetivo. Já estive nesta competição no ano passado e não fomos bem, então agora temos que ir com tudo pra buscar uma melhor campanha”, admite o jogador.

A rapidez na ascensão vai de encontro com a pressa do garoto para brilhar no futebol nacional. Felipinho espera em um curto prazo chegar ao time B do Inter e posteriormente estar no grupo principal.

 “O Felipinho tem várias convocações para as seleções de base. Já atuou com o Neymar (Santos), e o Philippe Coutinho (Inter de Milão), que são jogadores já mais conhecidos, e ele sempre se destacou junto com estes jogadores. Ele é muito técnico, com boa capacidade de finalização e velocidade, e tem recebido um bom respaldo do clube”, explica James Freitas, técnico do time júnior do Inter.

A baixa estatura poderia ser um empecilho para quem tem que encarar zagueiros de quase 2 metros de altura. Felipinho aprendeu desde cedo como fazer a diferença. “O tamanho eu compenso com velocidade, tento sempre evitar o contato com o zagueiro. Se me deixarem colocar a bola na frente, não me pegam nunca mais”, comenta.

Leia tudo sobre: internacionalfutebolcopa sp

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG