Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Goiás aproveita apagão do Palmeiras no segundo tempo e vai à final da Sul-Americana

Time de Felipão saiu na frente, sofreu a virada com gol aos 38 minutos do segundo tempo, e está de férias em 2010

iG São Paulo |

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=esporte%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237859757654&_c_=MiGComponente_C

O Goiás manteve a tradição de buscar a virada fora de casa e eliminou o Palmeiras na semifinal da Copa Sul-Americana. Com o Pacaembu lotado, o time que foi rebaixado no Brasileirão surpreendeu e está na final da competição que dá vaga para a Libertadores em 2011 após vencer por 2 a 1.

A derrota aconteceu, principalmente, pelo péssimo segundo tempo feito pelos comandados de Felipão. Depois de sofrer o empate aos 46 minutos da etapa inicial, o time paulista ficou esperando o jogo acontecer e foi surpreendido a poucos minutos do fim.

Méritos para Arthur Neto, que jogou o Goiás para cima, tirou Douglas e colocou Felipe e dominou quase o tempo inteiro. Deola não fez grandes defesas, mas a torcida perdeu a calma e mostrava irritação em vários momentos. Gândulas demoravam para devolver a bola, jogadores caminhavam na hora de fazer uma cobrança e mostravam que estavam com o regulamento embaixo do braço.

Depois de sofrer a virada, Felipão ainda tentou ir para cima, colocando Ewerthon no lugar de Tinga. Não adiantou. Agora, o Palmeiras praticamente antecipou suas férias. No fim do jogo, a torcida ficou muda, sem acreditar no que estava acontecendo. Depois, gritou "time sem vergonha". A paciência tinha acabado.

EFE
Carlos Alberto comemora o gol de empate do Goiás diante do Palmeiras

O jogo
O primeiro lance perigoso de jogo aconteceu aos seis minutos, com Danilo. O zagueiro foi avançando de sua área e foi só observados pelos marcadores do Goiás.

Chegou na intermediária e disparou um bom chute, que passou à esquerda de Harlei. Seis minutos depois, foi a vez de Kleber e Tinga fazerem tabela na entrada da área. De lá mesmo, o meio-campo disparou um belo chute e acertou a trave, inflamando a torcida. Depois, aos 18 minutos, Lincoln recebeu outro passe de Kleber, mas bateu fraco, nas mãos de Harlei.

No lance seguinte, Luan roubou bola pela esquerda, invadiu a área sozinho, mas chutou fraco de perna esquerda. A bola parou com Harlei, que já ligou um contra-ataque com Rafael Moura. Da entrada da área, o atacante do Goiás criou a primeira boa jogada de seu time e acertou a trave. O Goiás começava a gostar do jogo. Otacílio Neto aproveitou a bobeira da zaga palmeirense e chutou forte para a boa defesa de Deola.

Depois de tanta insistência do Goiás, o Palmeiras resolveu acordar e já conseguiu abrir o placar. Edinho deu ótimo passe para Luan, que entrou pela esquerda e chutou forte de perna esquerda, sem chances para Harlei, que só pôde olhar aos 33 minutos. O gol animou o Palmeiras, que quase ampliou o placar com Kleber, que chutou de fora da área, colocando à direita do goleiro. No último lance da partida, quando todos já pensavam no intervalo, o Goiás surpreendeu e empatou.

Depois de falta batida por Marcelo Costa, a bola bateu na trave e sobrou pingando dentro da pequena área. Rafael Moura desviou para perto de Deola, e Carlos Alberto completou parra o gol, empatando a partida exatamente no último lance possível na etapa inicial. 

Goiás vai para cima no segundo tempo

Empolgado com o empate na última hora, Arthur Neto resolveu colocar o Goiás para cima do Palmeiras. Tirou Douglas e colocou o atacante Felipe para fazer companhia a Rafael Moura e Otacílio Neto. A mudança surtiu efeito quase que imediato. Deola salvou o gol da virada após boa cabeçada de Amaral. Aos quatro minutos, sempre com a jogada aérea, Marcão aproveitou bola alçada na área e colocou à direita do goleiro palmeirense.

A torcida palmeirense começava a mostrar sinais de irritação e não se mostrava satisfeita com o empate, apesar do resultado servir para uma classificação. Foi aí que Lincoln e Kleber voltaram a fazer boa tabela para o erro na hora de finalização do atacante. O lance não contagiou o time de Felipão, que continuava a sofrer com as investidas do Goiás. O Palmeiras mostrava medo de bsucar o gol e sofrer o contra-ataque, por isso preferia segurar o 1 a 1.

Nas vezes que tentata armar, errava no passe final e dava chance para a armação de uma joagada dos visitantes. Foi assim que, aos 22 minutos, Rafael Moura recebeu bola pela direita após vacilo de Kleber e chutou rasteiro, para a defesa de Deola.

Aos 38 minutos, depois de ficar o tempo inteiro defendendo, o Palmeiras sofreu a punição. Ernando, após bom cruzamento de Marcão, colocou a bola para dentro do gol vazio, praticamente matando o Palmeiras.

Milton Trajano
O "gladiador" Kleber não conseguiu superar Rafael "He-Man" Moura


FICHA TÉCNICA - PALMEIRAS 1 x 2 GOIÁS

Local: Estádio do Pacaembu, São Paulo (SP)
Data: 24 de novembro de 2010, quarta-feira
Horário: 21h50 (de Brasília)
Árbitro: Heber Roberto Lopes (BRA)
Assistentes: Altemir Hausmann e Alessandro Rocha (ambos do Brasil)
Público: 36.410 no total
Renda: R$ 711.429,00
Cartões amarelos: Douglas, Marcão e Carlos Alberto (GOI)

GOLS
PALMEIRAS:
Luan, aos 33 minutos do primeiro tempo
GOIÁS: Carlos Alberto, aos 46 minutos do primeiro tempo e Ernando, aos 38 minutos do segundo tempo.

PALMEIRAS: Deola; Márcio Araújo, Maurício Ramos, Danilo e Gabriel Silva; Edinho, Marcos Assunção, Tinga (Ewerthon) e Lincoln (Dinei); Kleber e Luan.
Técnico: Luiz Felipe Scolari.

GOIÁS: Harlei; Rafael Tolói, Ernando e Marcão; Douglas (Felipe), Amaral, Carlos Alberto, Marcelo Costa e Wellington Saci; Otacílio Neto (Jonilson) e Rafael Moura.
Técnico: Arthur Neto

Leia tudo sobre: copa sul-americanafutebolgoiáspalmeiras

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG