Tamanho do texto

Empresa cobriu oferta da BWA e pagou à vista R$ 5 milhões por 10% dos diretos do atleta

Gazeta Press
O meia Paulo Henrique Ganso desistiu de esperar Santos e vendeu seus direitos econômicos a DIS
O meia Paulo Henrique Ganso vendeu 10% que detinha dos seus direitos econômicos a DIS, braço esportivo do Grupo Sonda, que agora ficou com 55% contra 45% do Santos . O iG apurou que o atleta ofereceu o porcentual ao presidente Luís Álvaro de Oliveira Ribeiro, que apenas fez promessas, mas não executou a compra.

Leia mais: Reserva, Léo está triste no Japão e quer fazer história no Mundial

O iG também apurou que a DIS pagou a vista R$ 5 milhões pelos 10% e cobriu uma oferta da empresa BWA, empresa que administra venda de ingressos e começou a investir em porcentagem de atletas de futebol.

Confira ainda: Menino da Vila do judô quer antecipar título do Santos no Japão

A BWA chegou a oferecer R$ 4 milhões a Ganso pelos 10%, mas só poderia pagar a quantia em dez parcelas. No entanto, a DIS cobriu a oferta e pagou o montante à vista pelos direitos.

Veja a tabela do Mundial de Clubes

Com a compra dos 10% a DIS se fortalece na briga com os dirigentes santista. Além de vencer a concorrência com a BWA, a empresa também superou a Teisa, investidores da diretoria santista, que compraram 5% dos direitos econômicos do atacante Neymar no final do ano passado.

Apesar de declarar que pretende permanecer no Santos , o atleta deve receber uma proposta de um grande clube europeu no início de janeiro. O jogador também ainda não recebeu do clube a valorização que pediu no primeiro semestre deste ano. O salário do jogador continua estipulado em R$ 130 mil mensais.