Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Ganso ataca diretoria do Santos: "É triste não ser valorizado"

Meia citou que até os clubes da Europa o valorizaram e acredita que lesão atrapalhou acordo com o Santos

Samir Carvalho, iG Santos |

O meia Paulo Henrique Ganso disparou contra a diretoria do Santos em entrevista coletiva nesta terça-feira, no CT Rei Pelé. O atleta, que não teve seu contrato renovado pelos dirigentes santistas, acredita que não foi valorizado pelo clube e confessou ter ficado triste com a postura da cúpula que comanda o Santos.

Isso porque o presidente do Santos, Luís Álvaro de Oliveira Ribeiro, ofereceu ao jogador um projeto de carreira parecido com o acordo realizado com Neymar na temporada passada. No entanto, o atleta revelou que ficou insatisfeito com o salário oferecido pelos dirigentes.

“Abalar não abala (não ser valorizado pelo clube). Eu pensei em jogar muito esse ano e voltar em alto nível. Mas pensei que não ser valorizado pelo próprio clube dá uma tristeza”, afirmou Paulo Henrique Ganso, que fez questão de dizer que os clubes da Europa estão interessados em seu futebol.

“Eu machucado, um time grande da Europa está interessado em meu futebol, e o Santos praticamente não me valorizou. É bom saber que grandes times estão interessados em meu futebol”, completou. Ganso diz acreditar que a cirurgia no joelho esquerdo realizada em agosto do ano passado atrapalhou as negociações. Na visão do jogador, a diretoria não o procurou propositadamente no período em que esteve lesionado.

“Se não houvesse a contusão, sem dúvida nenhuma já teria sido resolvido, com tudo acertado para uma renovação de contrato. Mas as coisas se tornaram mais difíceis”, disse o jogador. Além de confessar a chateação com a diretoria santista, Paulo Henrique Ganso mandou um recado para os dirigentes. O atleta declarou que, para retomar as negociações, o Santos terá que melhorar muito o projeto de carreira oferecido na temporada passada.

“Não houve mais conversas, deram por encerradas (as negociações). A conversa já estava marcada na quinta, e a contusão aconteceu. Foram três conversas e não houve nada. Você fica quatro, cinco meses, e não ser valorizado pelo clube é complicado. Podemos retomar, mas será em outras proporções”, ameaçou o jogador.

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG