Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Formação da seleção, e não estádios, é prioridade para 2014, diz Marin

Presidente da CBF afirmou que construção dos estádios é preocupação para a Fifa e o governo

AE |

selo

Getty Images
Formar uma seleção forte para a Copa é tão importante quanto os estádios, diz Marin
O novo presidente da CBF, José Maria Marin, admitiu nesta quarta-feira, após reunião da Fifa na Suíça, que seu principal objetivo para a Copa de 2014 não é nem a construção dos estádios e nem a melhoria da infraestrutura do País. Para ele, a grande obra é a formação de uma seleção que seja campeã do Mundial.

Deixe o seu recado e comente a notícia com outros torcedores

"Claro que estádios são importantes. Mas são obras para a Fifa e para o governo. O que importa para nós é a formação de uma seleção. Essa é a obra mais importante para a Copa no Brasil", declarou Marin, que assumiu o comando da CBF e do Comitê Organizador Local (COL) do Mundial após a renúncia de Ricardo Teixeira. "Essa é a minha prioridade e de todo o brasileiro."

Leia também: Câmara dos deputados confirma votação da Lei da Copa nesta quarta

O secretário-geral da Fifa, Jérôme Valcke, chegou a dizer recentemente que o Brasil está mais interessado em ganhar o Mundial do que em organizá-lo, o que, segundo ele, estaria provocando tantos atrasos na preparação para o evento. Nesta quarta-feira, Marin confirmou que a sua prioridade é mesmo a seleção brasileira. "Não dá para ter estádio e não ter equipe", disse o presidente da CBF.

Confira ainda: Após saída de Teixeira, Fifa assume a Copa e mantém Valcke

Na última terça-feira, o novo presidente da CBF já havia dito que um dos motivos que o levou a ceder a organização da Copa América de 2015 para o Chile, em troca da sede do torneio em 2019, foi justamente o de preservar a seleção brasileira. Marin entende que uma eventual derrota na Copa de 2014 criaria um mal-estar para a equipe do Brasil jogar em casa no ano seguinte. E, num cenário oposto, um eventual fracasso na Copa América poderia diminuir a festa caso o time tivesse sido campeão mundial no ano anterior.

AE
Mano Menezes tem o apoio de Marin
Apoio
O novo presidente da CBF também aproveitou a oportunidade para confirmar seu "apoio total" ao trabalho do técnico Mano Menezes, que está no comando da seleção brasileira desde agosto de 2010. Questionado pela reportagem se o treinador corria risco de perder o cargo, Marin foi enfático: "Não sou louco".

E ainda: Mano Menezes é multado após se recusar a fazer teste do bafômetro

Segundo ele, os testes que Mano Menezes está realizando com jogadores nos últimos dois anos "se justificam" e uma reunião para tratar do futuro da seleção será organizada na semana que vem no Brasil. "Ele está buscando uma base para a seleção. Mano tem minha confiança total", declarou o dirigente.

Veja também: "Decepcionado" com futebol da seleção, Andrés diz que Mano não agrada

Marin não quer dar prazos para a formação de uma seleção e nem para Mano Menezes. "O futebol não é uma ciência exata. No futebol, prazos não funcionam", justificou. Mas insistiu que as Olimpíadas, entre julho e agosto, serão fundamentais para o futuro do trabalho. "Londres será um teste para todos. Os Jogos Olímpicos servirão para fazer uma avaliação de jogadores e de todos", avisou.

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG