Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Fluminense empata com o Nacional e se complica na Libertadores

Mais uma vez, o campeão brasileiro decepciona a torcida e fica no 0 a 0 com o time uruguaio, no Engenhão

Gazeta |

O Fluminense segue sem vitórias na Copa Libertadores 2011. Em partida disputada nesta quarta-feira no Engenhão, o atual campeão brasileiro não passou de um empate sem gols diante do Nacional, do Uruguai, na segunda rodada da competição sul-americana. O resultado fez o Fluminense chegar a dois pontos ganhos no Grupo 3 enquanto a equipe visitante anotou seu primeiro ponto.

O time dirigido por Muricy Ramalho comandou as ações durante a maior parte da partida, mas mostrou falta de objetividade nos lances de área. Só depois da entrada de Souza e de Araújo é que o time conseguiu ser mais objetivo embora continuasse infeliz nas conclusões. O Nacional entrou em campo armado para não ser derrotado e conseguiu o seu objetivo.

Na próxima rodada da Libertadores, o Fluminense vai enfrentar o América no México, enquanto o Nacional receberá o Argentino Juniors em Montevidéu.

O jogo
O Fluminense começou com uma formação diferente em relação ao time que disputou a Taça Guanabara. Muricy escalou três zagueiro, barrou o volante Edinho e colocou Conca mais adiantado para fazer companhia a Rafael Moura, o único atacante. Mas o primeiro momento de perigo foi do Nacional que saiu em contra-ataque rápido, mas o atacante Fornaroli chegou atrasado no cruzamento de Viudes.

Logo depois desse lance, o Fluminense partiu para o ataque e aos quatro minutos Rafael Moura meteu a cabeça em cruzamento da direita, mas a bola saiu à direita do goleiro uruguaio.

O Fluminense fazia a bola circular para se aproximar da área, mas encontrava pela frente uma sólida marcação já que o time uruguaio recuava muito e deixava Fornaroli isolado entre os zagueiros da equipe carioca.

Aos 15 minutos, o time dirigido por Muricy Ramalho criou a sua primeira chance de gol em jogada de Marquinho, que ganhou na dividida dos zagueiros do Nacional mas chutou para fora.

Com dificuldade para penetrar, o Fluminense recorria aos chutes de longe como aconteceu com Diguinho aos 19 minutos, mas sem qualquer resultado prático.

O time brasileiro seguiu na pressão mas encontra

va um adversário muito bem postado na defesa, o que dificultava as conclusões. Aos 26 minutos, Mariano aproveitou uma sobra da defesa e arrisocu de longe, mas a bola subiu demais. No minuto seguinte, novamente Mariano tentou pelo lado direito, mas o goleiro Burián cortou o cruzamento que era endereçado a Rafael Moura.

O Fluminense continuava controlando a partida, mas só conseguia chegar na área em cruzamentos, como aconteceu aos 32 minutos quando Rafael Moura cabeceou por cima um levantamento de Marquinho.

Aos 40 minutos, o Nacional chegou à área tricolor com Fornaroli que se aproveitou de uma rebatida deficiente de Digão para chutar com violência, assustando Ricardo Berna. O time uruguaio se animou e criou duas situações de perigo na área tricolor, obrigando inclusive o goleiro brasileiro a sair do gol para atrapalhar o atacante uruguaio.

O Fluminense voltou para o segundo tempo sem modificações e mostrando os mesmos defeitos da etapa inicial. Depois de cinco minutos, a torcida pediu a entrada de Tartá. Logo depois, Mariano cruzou da direita e Rafael Moura bateu de primeira. A bola bateu no braço do zagueiro uruguaio e o árbitro mandou o lance seguir para desespero do centroavante do Flu, que reclamou de forma ostensiva e acabou sendo advertido com o cartão amarelo.

Aos 15 minutos, Muricy resolveu atender aos gritos da torcida e trocou o volante Valencia pelo atacante Tartá. A pressão brasileira aumentou e o Nacional desistiu do ataque, concentrando-se na defesa. Aos 18 minutos, o goleiro Burián saiu bem para evitar o gol.

Aos 22 e 23 minutos, Rafael Moura tentou a conclusão mas foi bloqueado nos dois lances pela defesa uruguaia. Logo depois o atacante conseguiu colocar a bola nas redes, mas a arbitragem marcou impedimento.

Aos 26 minutos, a torcida carioca tomou grande susto quando o atacante Garcia se livrou de Leandro Euzébio, passou por Ricardo Berna, mas chutou por cima, perdendo a grande chance do Nacional.

Muricy adiantou ainda mais o Fluminense, colocando o atacante Araújo no lugar do zagueiro Gum, e logo depois Souza entrou para dar mais força ao ataque. Mesmo assim, o Flu não conseguia criar muitas jogadas de perigo, principalmente por causa do nervosismo dos jogadores, que não conseguiam concluir as jogadas na área do Nacional.

Aos 42 minutos, o goleiro do Nacional defendeu bem um cruzamento de Carlinhos e no minuto seguinte foi a vez de Araújo concluir rasteiro mas o goleiro Burián fez nova defesa segura. Na base do desespero, os tricolores cariocas cercaram a área uruguaia, mas a defesa do Nacional se comportou muito bem e manteve o placar inalterado. No último lance importante da partida, o goleiro uruguaio cortou parcialmente o cruzamento e Souza pegou de primeira e jogou por cima do travessão.

FICHA TÉCNICA - FLUMINENSE 0 X 0 NACIONAL-URU

Local: Estádio Olímpico João Havelange, o Engenhão, no Rio de Janeiro (RJ)
Data: 23 de fevereiro de 2011, quarta-feira
Horário: 21h50 (de Brasília)

Árbitro: Carlos Amarilla (Paraguai)
Assistentes: Nicolás Yegrose Milcíades Saldívar (ambos do Paraguai)

Cartões Amarelos: Conca, Rafael Moura e Leandro Euzébio (Fluminense); Fornaroli, Cabrera, Viudes, Piriz (Nacional)

FLUMINENSE: Ricardo Berna; Gum, Leandro Euzébio e Digão(Araújo): Mariano; Valencia(Tartá), Diguinho, Marquinho(Souza), Darío Conca e Carlinhos; Rafael Moura
Técnico: Muricy Ramalho

NACIONAL: Burián; Marques, Lembo, Coates e Núñez; Cabrera(Calzada), Píriz, Pereyra e Vigneri; Fornaroli(Garcia) e Viudez
Técnico: Juan Ramón Carrasco  

Leia tudo sobre: FluminenseCopa Libertadores 2011

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG