Tamanho do texto

Clima ruim ficou ainda mais evidente após críticas do atacante Emerson, dispensado por indisciplina

O Fluminense foi eliminado da Libertadores pelos paraguaios do Libertad , nesta quarta-feira tenebrosa para o futebol brasileiro. Mas o adeus do campeão brasileiro à principal competição da temporada começou a ser desenhado nos bastidores muito antes de a bola rolar no Defensores Del Chaco.

Mais precisamente no dia 13 de março , quando o técnico Muricy Ramalho pediu o boné e deixou as Laranjeiras às escuras um dia após o então vice-presidente de futebol, Alcides Antunes, ter sido demitido contra a vontade do atual técnico do Santos.

Daí em diante, o futebol do Fluminense ficou à deriva. Sem vice-presidente, sem gerente de futebol e sem comando, coube ao clube trazer o interino Enderson Moreira, que havia trabalhado no time B do Internacional .

Alternando bons e maus resultados, Enderson ao menos caiu no gosto dos jogadores mais badalados e não tem o comando contestado. Principalmente após a dispensa do atacante Emerson, que foi dispensado por ter cometido atos de indisciplina e, ao sair do clube, deixou claro não ter um bom relacionamento com o treinador e, principalmente, com o atacante Fred .