Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Fifa estuda estipular teto às comissões de empresários de jogadores

Entidade tem como objetivo melhorar a transparência das transações e quer que clubes divulguem valores exatos recebidos

EFE |

A Fifa estuda a possibilidade de introduzir um teto máximo às comissões cobradas pelos empresários de jogadores nas transferências, com objetivo de aumentar a transparência das transações, informou nesta quarta-feira um alto funcionário da organização.

A entidade também prevê que os clubes sejam obrigados a tornar públicas os valores exatos recebidos em cada negociações, segundo o diretor de assuntos jurídicos da Fifa, Marco Villiger, em entrevista coletiva concedida em Bruxelas.

A medida faz parte de um debate atual constituído pelo organismo presidido pelo suíço Joseph Blatter para propor uma reforma das regras referentes à ação de empresários no mundo do futebol. A federação decidiu rever as normas vigentes após constatar uma série de "erros judiciais do sistema", como o aumento de agentes sem licença oficial. Atualmente, apenas 30% das transferências internacionais são realizadas com empresários registrados, segundo dados da Fifa.

De acordo com Villiger, a falta de regulamentação sobre os intermediários provoca pressão e muitos abusos sobre os atletas, além de um custo elevado para os clubes, que poderiam economizar grandes valores em comissões e revertê-las em melhorias na situação do futebol ou dos jogadores.

Entre as propostas em debate pelo grupo de trabalho da Fifa está a introdução de uma proporção máxima de comissões os agentes que poderiam cobrar pelas transferências, que seriam entre 2 e 3% do custo da contratação ou em US$ 2 milhões, afirmou o dirigente.

Além de assuntos relacionados à transparência e ao valor das comissões, o grupo estuda medidas para evitar os conflitos de interesses dos empresários e melhorar a formação dos atletas em assuntos jurídicos ou econômicos, reduzindo assim sua dependência dos representantes. "O objetivo final não é desregulamentar a profissão de intermediário, e sim aumentar o controle sobre os representantes de jogadores, treinadores e clubes", afirmou Villiger.

A Fifa prevê inclusive que, a longo prazo, "os agentes deixem de ser necessários para o sistema", e que jogadores e clubes possam tramitar as operações por si mesmos, com a assessoria do organismo internacional e a ajuda das novas possibilidades que oferecem a tecnologia da comunicação.

As propostas elaboradas pelo grupo de trabalho serão debatidas no congresso da entidade máxima do futebol em 2012, no qual participarão todas as partes envolvidas.

Leia tudo sobre: fifablatter

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG