Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Fifa defende torneio em países sem tradição no futebol

Secretário-geral avaliou como positivo Mundial de clubes nos EAU, apesar do pouco apelo popular. Copas do Mundo na Rússia e na Catar, segundo Jerome Valcke, formarão novos seguidores ao futebol

Marcel Rizzo, enviado iG a Abu Dhabi |

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=esporte%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237882807842&_c_=MiGComponente_C

O secretário-geral da Fifa, Jerome Valcke, defendeu o Mundial de clubes realizado nos Emirados Árabes Unidos, apesar da média de público baixa e do COL (Comitê Organizador Local) precisar dar ingressos e levar pessoas de ônibus aos campos para não deixá-los vazios. O torneio em Abu Dhabi termina no sábado com a decisão entre Inter de Milão, da Itália, e Mazembe, da República Democrática do Congo.

Temos que levar o futebol a países sem tradição. Que se acostumem ao futebol. Em 1994, a Copa nos EUA foi o início de uma nova era por lá, que teve qualificação técnica também. Os EUA já chegaram a uma final de Copa das Confederações. Esperamos que a seleção dos Emirados Árabes também tenha essa qualificação com os campeonatos disputados aqui, disse Valcke.

Vipcomm
Arquibancadas ficaram vazias durante partida entre Inter e Mazembe no Mundial

O torneio de clubes foi realizado em 2009 também nos EAU. O time da casa perdeu no ano passado na estreia (o Al-Ahli), terminando em sétimo, e este ano ficou em sexto (com o Al Wahda). As Copas do Mundo de 2018 (na Rússia) e 2022 (no Catar) também serão realizadas em países sem tradição, lembrou o secretário-geral.

Valcke disse desconhecer ingressos gratuitos e transporte para que torcedores de outros emirados (como Dubai e Al Ain) comparecessem as partidas. A reportagem do iG flagrou a chegada de um desses ônibus no jogo de estreia, dia 8 de dezembro, na vitória do Al Wahda sobre o Hekari Unites, de Papua-Nova Guiné. O COL não se pronunciou a respeito.

A assessoria da Fifa para o evento explicou que o estádio Mohammed Bin Zayed, que recebeu as primeiras partidas do evento, não pôde usar toda a capacidade porque a parte superior da arquibancada é recém construída e ainda não pode receber público. Por isso, segundo eles, a impressão de estádio vazio.

No ano passado, a média de público no torneio nos EAU foi de pouco mais de 19 mil, contra os 45 mil do evento realizado no Japão em 2008. O número deste ano deve aumentar um pouco, até porque desta vez a organização tratou de recrutar voluntários para irem ao estádio. O esporte preferido nos EAU é o críquete. Os jogos de futebol do campeonato local tem média de menos de 2 mil pessoas por jogo.

Próximos mundiais
Em março de 2011 a Fifa decidirá qual país será sede do Mundial de clubes de 2013 e 2014. Em 2011 e 2012 já está definido que voltará ao Japão. Alguns países já manifestaram o interesse, o próprio Emirados, o Japão. Vamos analisar, disse Valcke. O México tem interesse. O campeonato esta garantido até 2014 porque é quando termina o patrocínio da montadora japonesa Toyota.

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG