Lei de incentivos foi à audiência pública e vai a plenário novamente a partir das 19h de sexta

Obras estão no estágio de terraplanagem
Guilherme Tosetto, iG São Paulo
Obras estão no estágio de terraplanagem

As leis de incentivos fiscais ao estádio do Corinthians em Itaquera continuam sendo debatidas na Câmara Municipal de São Paulo e nesta quinta-feira os vereadores promoveram a segunda audiência pública sobre o projeto de lei e prevê a concessão de incentivos fiscais de até R$ 420 milhões para a construção da arena que é a candidata da cidade para receber a abertura da Copa de 2014 .

Siga a página do iG Corinthians no Twitter

O projeto de lei partiu do gabinete do prefeito Gilberto Kassab que aguarda agora a segunda votação em plenário para sancioná-la a partir de sgunda-feira.

Após a realização da audiência pública desta quinta-feira, a votação final deve ocorrer no início da noite de sexta, a partir das 19h, 48 horas depois da primeira votação que aconteceu na quarta-feira. Nela , 36 vereadores votaram a favor, 12 contra e houve três abstenções . Bastam 28 votos favoráveis para que o projeto seja aprovado na Câmara. A corrente favorável à aprovação acredita que o "sim" seja a escolha de até 40 dos 55 vereadores.

Os vereadores contrários ao projeto estão cientes de que não terão os votos necessários para barrá-lo, mas tentam agregar ementas ao projeto que garantam que aprovação dos incentivos sejam suficientes para não tirar a abertura da Copa de São Paulo. Belo Horizonte, Brasília e Salvador pleiteam o privilégio.

O secretário especial do múnícipio para a articulação da Copa em São Paulo, Gilmar Tadeu, participou da audiência nesta manhã e declarou que os benefícios fiscais previstos serão convertidos em lucros nos próximos dez anos e em melhorias para a zona leste de São Paulo. Tadeu foi nomeado por Gilberto Kassab para representá-lo.

O Corinthians e a Odebrecht, empreiteira contratada pelo clube para conduzir as obras em Itaquera, aguardam a aprovação da lei para fecharem o orçamento e o contrato entre as duas partes. Com ela, acreditam, não haverá mais empecilhos para se ter as garantidas financeiras chanceladas pelo BNDES, que financiará outros R$ 400 milhões ao Corinthians.

Com essa engenharia, o clube espera ter posse de todos os documentos necessários para apresentar as garantias à Fifa até o dia 12 de julho, data limite dada pela entidade para as candidatas à abertura comprovarem que podem cumprir os prazos até o Mundial. Segundo o Corinthians, o valor final da obra não será superior a R$ 850 milhões .

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.