Tamanho do texto

Meia deve atuar novamente contra o Grêmio, já que Juninho está na França resolvendo assuntos particulares

O gol de Fágner no fim da partida contra o Figueirense , domingo, no Orlando Scarpelli, valeu mais do que livrar o time da derrota na 22ª rodado do Campeonato Brasileiro . Com o empate, o Vasco assumiu de forma isolada a segunda colocação, com 42 pontos, a apenas um do Corinthians . Titular na partida, o meia Fellipe Bastos procurou não lamentar o resultado. Pelo contrário: o jogador lembrou que o time de São Januário foi o único entre os quatro primeiros colocados a pontuar e subir na tabela de classificação.

Siga o iG Vasco no Twitter e receba notícias do time em tempo real

“Claro que a gente gostaria de ter voltado para o Rio com a vitória e a liderança do Brasileiro. Mas não podemos ficar apenas lamentando, já que subimos uma posição e encostamos ainda mais no Corinthians. Agora, temos a semana livre pela frente para pensarmos no Grêmio , que será mais um jogo complicado contra um time que vem de bons resultados”, disse Fellipe Bastos.

Entre para a Torcida Virtual do Vasco e convide seus amigos

O meia se referiu às derrotas de Flamengo, Corinthians, São Paulo e Botafogo – curiosamente, clubes que estão na briga pelas primeiras posições e que perderam, respectivamente, para Atlético-PR, Fluminense, Grêmio e Coritiba na rodada do fim de semana.

Ricardo Gomes recebe alta da UTI e já está no quarto

Fellipe foi escalado no lugar de Juninho Pernambucan o, que está na França resolvendo problemas particulares – o Reizinho também não enfrenta o Grêmio. Contra o time catarinense, ele atuou como terceiro homem no meio-de-campo, função na qual revelou estar acostumado a fazer desde o início da carreira nas divisões de base do Botafogo. Como Juninho está fora novamente, ele já se coloca à disposição do técnico interino Cristóvão Borges.

“Não vejo problemas em atuar como segundo ou terceiro homem no meio-de-campo. No Botafogo e nas seleções de base joguei diversas vezes nas duas posições e me adapto com facilidade. Na Europa, o sistema de marcação é mais forte e com isso passei a ficar mais preso sem avançar muito, mas gosto de ter oportunidade de arriscar chutes, que é uma das minhas principais características”, comentou o meia.