Tamanho do texto

Meia admite que time se retraiu com medo de não sofrer gol. Ousadia será a solução contra retranca

A Copa do Brasil tem por característica inibir o time da casa. Pelo menos esta é opinião de Felipe . O meia do Vasco reconhece que o time, com medo de sofrer gol do Avaí , na primeira partida decisiva da semifinal , quarta passada, no Rio, acabou se retraindo. Para se classificar, a equipe dirigida por Ricardo Gomes terá de vencer ou empatar com mais de dois gols. E vem do próprio erro vascaíno a crença do camisa 6 em obter a vaga. Felipe acredita que o time catarinense terá postura parecida com a do Vasco no jogo de volta. A bola rola às 21h50 nesta quarta-feira, na Ressacada, em Florianópolis.

Siga o iG Vasco no Twitter e receba todas as informações do seu time em tempo real 

Felipe lamenta que o Vasco tenha respeitado demais o Avaí em São Januário
AE
Felipe lamenta que o Vasco tenha respeitado demais o Avaí em São Januário
"Copa do Brasil tem isso. Você fica com medo de sofrer gol e ainda tem a obrigação de ganhar. Isso que aconteceu com a nossa equipe no primeiro jogo. Pecamos aí. Lá fora, acho que eles vão ter a mesma preocupação, e nós vamos para cima deles tentar logo o gol", disse Felipe, endossando o técnico Ricardo Gomes, que prometeu ir para o tudo ou nada na Ressacada

Felipe crê num futebol mais ousado nesta segunda partida. Sem a obrigação de se defender, o time poderá - quem sabe? - repetir as atuações fora de casa contra ABC, Náutico e Atlético-PR. Na atual competição, o Vasco, curiosamente, fez sempre o segundo jogo em casa. Agora, pela primeira vez, está decidindo fora. Para o camisa 6, o time evolui melhor quando não enfrenta retranca adversária. 

Neste caso, porém, a história é diferente. Com a obrigação vascaína de fazer logo o gol, o provável que os donos da casa esperem o time visitante para sair nos contra-ataques. Felipe não esconde que já imagina o Avaí adotando tal estratégia. O jeito, afirma o meia, é atacar. Sem medo. 

"Para vencer, você precisa ser sempre ousado. Isso não só no futebol, mas em qualquer profissão. Com a vantagem, eles devem se fechar, atraindo nosso time para o campo deles. Vai haver uma retranca muito forte, mas temos que suportar bem a pressão e superar a retranca deles. Vamos respeitá-los, mas vamos atrás do resultado com ousadia".