Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Felipão pede a permanência de Galeano na gerência palmeirense

Presidente é contra cargo remunerado. Reforma no clube faz conselheiros se aproximarem do futebol

Marcel Rizzo, iG São Paulo |

O dia no qual os novos comandantes do Palmeiras mostrarão como pretendem administrar o clube, e principalmente o futebol, já tem data marcada: 12 de fevereiro. Na reunião do Conselho Deliberativo, o presidente Arnaldo Tirone vai oficialmente empossar os novos diretores, que informalmente já trabalham. A partir daí cargos importantes serão modificados, também no futebol.

Tirone e Roberto Frizzo, vice-presidente eleito que chefia o futebol, são contra diretores remunerados para o departamento. É praticamente certo que o supervisor Sérgio do Prado deixe o cargo. Já o gerente Galeano tem um padrinho forte e deve permanecer: o técnico Luiz Felipe Scolari já pediu pessoalmente ao presidente e a Frizzo a manutenção do ex-volante.

“Deixe eles (do Prado e Galeano) trabalharem. Vocês querem causar uma revolução aqui”, disse Frizzo quando questionado pelo iG se ambos permaneceriam. “Vou te colocar no nosso departamento pessoal para resolver isso”, brincou o dirigente.

Com a direção anterior, Galeano era quem negociava diretamente as contratações. Sob orientação de Felipão, ele sondava atletas muitas vezes antes até de comunicar ao diretor de futebol Wlademir Pescarmona, para saber a possibilidade real de um acordo antes de pedir o aval dos superiores. O técnico confia em Galeano e quer que ele continue esse trabalho.

AE
Arnaldo Tirone (dir.) e Roberto Frizzo comemoram a vitória da oposição nas eleições
O acordo com Chico, contratado do Atlético-PR e apresentado nesta segunda-feira, foi todo emaranhado por Galeano, ex-jogador querido pelos torcedores nos anos 90 e início dos anos 2000 mais pelo estilo guerreiro do que pela habilidade com a bola nos pés.

“Não precisa ser remunerado para fazer um trabalho profissional. Queremos pessoas no futebol que conheçam o clube”, disse Frizzo há dez dias, quando ele e Tirone bateram as duas chapas da situação na eleição. O cargo de do Prado é mais burocrático, como definir logística de viagem. Esta função, para a nova diretoria, também pode ser exercida por algum diretor do clube. A ordem é cortas gastos.

Política e futebol
A reforma para a construção da Arena Palestra está aproximando dirigentes e conselheiros do futebol, o que pode desagradar a Felipão. Apesar da curta distância entre a Academia de Futebol e a sede do clube (menos de 2 km), a presença de conselheiros e diretores não ligados ao futebol no CT era restrita. Agora, até reunião do COF (Conselho de Orientação e Fiscalização) ocorre na Barra Funda.

Sem espaço físico na sede da Turiassu, os 15 membros do COF têm se reunido na sala de imprensa da Academia, bem ao lado do campo de treinamento dos jogadores. O que gera situações bizarras, como o fato de o treinamento da última segunda-feira ter sido fechado, na parte da tarde, porque os jornalistas não teriam onde ficar porque a sala seria ocupada pelos conselheiros. No encontro foi escolhido o presidente do COF pelos próximos dois anos. Alberto Strufaldi acabou eleito.

A eleição, realizada no ginásio do CT, também causou constrangimento ao elenco, que treinou pouco antes num campo ao lado e teve que presenciar o protesto de 200 torcedores do lado de fora contra os três candidatos. A Arena Palestra só deve ficar pronta em março de 2013, mas prédios anexos para a realização de reuniões devem ser entregues antes.
 

Leia tudo sobre: PalmeirasLuiz Felipe ScolariArnaldo Tirone

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG