Técnico do Palmeiras lamenta seguidas ausências de Valdivia e Lincoln e avisa que não tem muitos atacantes

nullApós a vitória sobre o Atlético-PR , são sete pontos em nove disputados. Com isso, o torcedor do Palmeiras está satisfeito com o início da campanha no Campeonato Brasileiro. No entanto, o técnico Luiz Felipe Scolari evita enganar os fãs do clube e está ciente de que o futebol do time permanece longe de ser o mais bonito do país. O nível do jogo só poderá ser melhorado com a presença de um meia talentoso.

Felipão considera que o Palmeiras conta no elenco com dois atletas - Lincoln e Valdivia - capazes de tornar o futebol da equipe rebuscado. O grande problema é a sequência de obstáculos vividos pela dupla, principalmente na parte física, na passagem pelo Palestra Itália.

"Quando pudermos acrescentar qualidade, vamos acrescentar. Dos 32 jogos no ano, o Lincoln atuou em sete, o Valdívia é a mesma coisa. Não dá para imaginar algo diferente", disse o treinador, após a vitória magra deste sábado contra o Atlético-PR.

Questionado sobre a substituição de Cicinho por Chico, quando a partida ainda estava empatada sem gols, Felipão avaliou que não foi uma alteração defensiva e se defendeu do rótulo de retranqueiro.

Chico comemora gol da vitória do Palmeiras
Gazeta Press
Chico comemora gol da vitória do Palmeiras
"Retranqueiro? Eles queriam que eu colocasse quem? Qual atacante? Para quem fala que sou retranqueiro, qual o atacante que eu tinha para pôr? Só o meu avô, que está lá no túmulo faz tempo, ele dizia que era atacante. Coloquei um jogador alto (Chico) e deu certo, pronto, poderia ter dado errado", afirmou o técnico.

Principal estrela do ataque alviverde e dependente do abastecimento vindo do meio-campo, Kleber também aguarda pela evolução da criação palmeirense. "Quando o Lincoln e Valdívia não jogam fica mais difícil, eles aumentam a qualidade técnica. Às vezes, eu tenho que sair da área. A qualidade dos dois é indiscutível", exaltou o Gladiador.

Para os próximos jogos do Campeonato Brasileiro, Felipão pode esquecer de Valdívia, liberado até o mês que vem à seleção chilena para a disputa da Copa América. Agora, é torcer para que Lincoln não sofra mais uma contusão muscular, fato corriqueiro desde o ano passado.

Caso não tenha os meias de armação, Scolari não cogita outras alternativas e irá seguir com um time operário em campo. "Dentro das nossas características, dentro do espírito que possuímos, é importante jogar dessa forma. À medida que tivermos lucidez nos jogos, teremos algo mais interessante", comparou.

*Com Gazeta Esportiva

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.