Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Falcão quer o Inter ofensivo, com mais posse de bola e marcação

Time teve considerável queda no número de desarmes e mandou menos nos jogos em relação a 2010

Gabriel Cardoso, iG Porto Alegre |

Ainda é cedo para definir, mas os jogadores do Internacional já tiveram a primeira impressão do trabalho de Paulo Roberto Falcão. Enquanto a bola rolou, o treinamento foi fechado. Bolatti e Kléber foram até a sala de imprensa e contaram um pouco sobre o primeiro dia do novo treinador.

Tenha as estatísticas no seu iPhone e faça comparações entre times e jogadores

“Ele tem muito conhecimento de futebol, quer manter nossa equipe ofensiva como sempre foi. Já deu para colocar um pouco do que queria. Daqui pra frente é só ir se adequando mais aos fundamentos”, disse o lateral-esquerdo Kléber.

O volante Bolatti deve ser firmado na primeira função do meio de campo. Caberá a ele o trabalho de ser um dos principais ladrões de bola do time. Porém, Bolatti deixou escapar um dos pedidos do novo técnico.

“Acho que é muito cedo para falar. Acho que a função de marcar será de todos. No trabalho de hoje todos tinham que marcar e roubar a bola”, contou o volante argentino.

Na segunda-feira, quando apresentado, Falcão pediu um time mais compacto. Os jogadores relatam que a ideia já começou a ser colocada em prática.

“Ele pediu que a nossa equipe pudesse estar um pouco mais compactada. Ele quer posse de bola, que é fundamental. Já tínhamos esta característica, esperamos manter”, explicou Kléber.

O Inter teve uma considerável queda no número de desarmes comparando 2010 com 2011. O time também perdeu um pouco em posse de bola, em relação ao ano passado, segundo dados do Footstats. No Brasileirão de 2010 eram 27 tentativas de desarme por jogo, sendo uma média de 22,2 acertos por partida. No Gauchão 2011 a média é de 16,8 desarmes por jogos, sendo 13,4 certos. Na atual Libertadores são 17 desarmes por jogo, sendo 11,8 certos (quase a metade do aproveitamento no Brasileirão do ano passado).

No quesito posse de bola a queda é menor. Eram 15 minutos e 5 segundos no Brasileirão 2010. 14 minutos e 50 segundos no Gauchão 2011 e 14 minutos e 25 segundos na Libertadores 2011.
 

Leia tudo sobre: InternacionalFalcão

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG