Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Fabrício revela que teve vontade de agredir Sandro Ricci

Cruzeirense não deve ser julgado pelo STJD, apesar de ter peitado o árbitro e do chutão na saída de bola

Gazeta Esportiva |

As polêmicas envolvendo o confronto entre Corinthians e Cruzeiro parecem não ter fim. O volante Fabrício, um dos mais irritados com a arbitragem de Sandro Meira Ricci naquele sábado, revelou à Rádio Itatiaia que deixou o campo por vontade própria para não agredir o árbitro após a marcação do pênalti do zagueiro Gil sobre o atacante Ronaldo.

"Dá vontade (de agredir o juiz), você fica com muita raiva na hora, mas eu sofreria uma punição muito grave e ficaria meses fora. A decisão mais certa foi ter feito o que fiz", disse o jogador, se referindo ao pedido que fez ao técnico Cuca após a abertura do placar na cobrança do pênalti: depois de dar um chutão para longe na saída de bola, ele pediu para deixar o gramado.

"Ainda bem que ainda havia uma substituição e saí antes do Thiago (que seria o substituído) para não me prejudicar ainda mais", disse ele, antes de explicar que outros lances causaram a ira. "Foram muitos lances. A jogada do pênalti é até discutível, mas se fosse para o nosso lado era capaz do nosso atacante tomar cartão amarelo".

Fabrício não deve ser julgado pelo STJD, apesar de ter peitado o árbitro e do chutão na saída de bola (por atitude semelhante, o então santista Giovanni foi suspenso no Brasileirão 2005). Expulsos no confronto, o técnico Cuca, o zagueiro Gil e o lateral/meia Gilberto irão ao tribunal, assim como o presidente Zezé Perrella, por declarações ofensivas. Thiago Ribeiro, que fez gestos insinuando que a Raposa teria sido vítima de um 'roubo', será analisado e pode ser mais um denunciado. 

Leia tudo sobre: campeonato brasileirocruzeirofutebol

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG