Técnico disse que perdeu a paciência com o árbitro, mas afirmou aos jogadores que isso não acontecerá de novo

Com um gol do zagueiro Maurício Ramos , aos 38 do segundo tempo, o Figueirense foi derrotado dentro do Estádio Orlando Scarpelli , nesta quarta-feira, pelo Palmeiras.

O técnico Jorginho, que esbravejou contra a marcação da falta que culminou no gol da vitória do time paulista, acabou expulso pelo árbitro Alicio Pena Junior logo depois do lance.

Após a partida, de cabeça fria, o treinador justificou a expulsão: "Lamento muito, não vai acontecer de novo, até falei isso com os jogadores. Hoje eu perdi a paciência com o árbitro, porque acho que ele foi muito infeliz, minou a minha equipe, deixou correr o jogo em faltas claras. Dois pesos e duas medidas: o Aloísio protege a bola é falta, o Kleber protege a bola e não é falta. Não desrespeitei o árbitro, mas ele veio me dizer que ia expulsar meus jogadores se eu não os acalmasse enquanto o Palmeiras era quem fazia as faltas. Só fui questioná-lo em relação à atuação dele", afirmou.

Jorginho, que anda balançando no cargo após cinco partidas sem vitória, sentiu o resultado negativo: "Nós perdemos um jogo que precisávamos ganhar. Jogamos para frente, jogamos com coragem, mas infelizmente perdemos. Eles ganharam com uma bola parada, mas a nossa equipe foi organizada e ofensiva", declarou.

O volante Ygor, que reclamou da falta de solidariedade dos atletas do Figueirense, em crítica clara ao atacante Aloísio, também teve sua opinião combatida pelo treinador, que disse: "Ás vezes o jogador diz as coisas de cabeça quente, é por isso que eu gosto de sair, tomar um banho, pensar direito, mas infelizmente não dá, porque vocês (repórteres) não deixam eles saírem. O jogador pode falar uma coisa no calor do jogo que não é realidade. Atacante tem que fazer isso mesmo, bater para o gol, tem que ter fome sim".

Por fim, Jorginho garantiu que a reabilitação não tarda e que o time deve voltar a subir na tabela em breve: "As coisas vão acontecer, porque nós estamos jogando de igual para igual com as equipes e aí é questão de perder, pois o Palmeiras poderia ter perdido também e seria complicado para eles, porque é perder para um time chamado ?pequeno'. A gente tem que levantar a cabeça, virar a página e pensar no próximo jogo", prometeu o treinador do Figueirense, que tem pela frente o Bahia, neste domingo, em Pituaçu.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.