Tamanho do texto

Sylvinho e Marcelinho Paulista jogaram com ex-jogador acusado de abuso sexual contra criança

Fabinho Fontes pelo Corinthians, em 1995
Gazeta Press
Fabinho Fontes pelo Corinthians, em 1995
Fabinho Fontes , promissor meia atacante do Corinthians no início dos anos 90, está preso desde segunda-feira em São Paulo acusado de abuso sexual contra uma menina de cinco anos. Ele foi pego em flagrante pelo pai da criança. Detido, ele não tem direito à fiança. E não terá o apoio de ex-colegas ou do clube. Para ex-jogadores que também iniciaram suas carreiras no período em que Fabinho esteve no Corinthians, o assunto é um tabu.

Leia também: Neto diz que treinadores e dirigentes homossexuais abusam de garotos

"Trabalhei na base com ele, mas é complicado emitir qualquer opinião sobre esse tipo assunto. Todo mundo leu e viu o que aconteceu, mas não cabe ao clube fazer nada. Deixa a Justiça trabalhar e ver o que vai acontecer", disse Marcelinho Paulista, atual diretor da base do Corinthians e formado no clube no mesmo período em que Fabinho despontou como grande nome. “Jamais (faria isso). Eu ia pôr a menina no meu colo? A filha dele (do amigo que dirigia o veículo)? Criança ainda de 5 anos. Nunca fiz isso. Ela estava de um lado e eu do outro (no banco do carro)", afirmou Fabinho, em entrevista à TV Record.

E mais: Professor de futebol é acusado de abusar de alunos em São Paulo

No 26º DP de Polícia, em Sacomã, onde foi preso, Fabinho disse aos policiais que também foi abusado durante o período que foi jogador da base do Corinthians e que isso teria moldado seu comportamento sexual. "Esse assunto é muito delicado (abuso sexual na base). Eu prefiro não falar nada sobre isso. Mas isso é uma questão particular dele (Fabinho) e não cabe a nós emitir opinião. Se há algo, que a Justiça faça sua parte", disse Marcelinho.

O meia Willian , um dos últimos jogadores formados no clube que atingiram destaque internacional - está no Shakhtar Donetsk - disse em entrevista ao jornal Lance, em 2006, que casos de pedofilia não eram raros na base do clube. "Nenhum jogador vai falar, mas tenho certeza de que tinha lá. Graças a Deus, nunca fui convidado (para o sítio do diretor da base). E, mesmo que fosse, não iria. Sabia que alguma coisa de ruim podia acontecer", afirmou o jogador.

Outro contemporâneo de Fabinho na base corintiana foi o ex-lateral-esquerdo Sylvinho, também campeão da Copa São Paulo de 1995. Sylvinho diz que o ex-colega se distanciou do grupo de jovens que se formou no Corinthians no início dos anos 90. Com longa carreira na Europa, onde defendeu Arsenal, Celta de Vigo, Barcelona e Manchester City, Sylvinho trabalha hoje na comissão técnica do Cruzeiro.

"Fui logo para a Europa e perdi contato. Não tenho acompanhado muito as notícias já que estou concentrado só no Cruzeiro", disse, ainda no Acre, onde o time mineiro estreou com vitória na Copa do Brasil . "Não posso dizer nada sobre ele. Não sei que rumo tomou, em que clubes jogou", completou.

Carreira
Fabinho fez apenas 14 jogos como profissional do Corinthians. Não vingou como era esperado. Ele foi eleito o craque da Copa São Paulo de 1993 (quando foi vice-campeão) e repetiu o feito em 1995, desta vez campeão. Sylvinho fez parte desta conquista. "Ele era muito bom, todos apostavam muito nele. Chegou a jogar no Paulista (de 1995, quando o Corinthians foi campeão) mas depois não sei o que aconteceu", disse Sylvinho. Depois do Corinthians, Fabinho rodou o Brasil e atuou por 17 clubes. Se aposentou aos 37 anos e atuava no time de Masters do Corinthians.