Profissional acompanhou a seleção brasileira nas Copas do Mundo de 1994 e 1998 e faleceu neste sábado devido a problemas cardíacos

Gazeta Press
Lidio Toledo e o técnico Ney Franco durante treino do Botafogo, em foto de 2009
O ortopedista Lidio Toledo morreu neste sábado, aos 78 anos, no Hospital Samaritano, no Rio de Janeiro, vítima de problemas cardíacos e complicações renais. O médico tinha sido internado na noite da última sexta-feira com um quadro infeccioso agudo e não resistiu.

Durante sua carreira, Lidio foi um profissional respeitado no futebol. Fez parte da delegação da seleção brasileira que participou das Copas de 1970 a 1998 (campeão, portanto, em 70 e 94). Também teve passagem marcante pelo departamento médico do Botafogo.

nullEm 1994, Toledo bancou a permanência do lateral-esquerdo Branco no grupo da seleção brasileira, apesar do jogador sofrer com dores nas costas. Escalado no duelo das quartas de final contra a Holanda, o defensor marcou o gol da vitória por 3 a 2 e o dedicou ao médico.

Em sua passagem pela seleção, Lidio ficou marcado pela forte ligação com Zagallo, seu amigo pessoal, ao lado de quem protagonizou um dos momentos mais polêmicos do Mundial de 98, ao liberar Ronaldo para entrar em campo na decisão contra a França, após o mesmo ter sofrido uma convulsão horas antes do início da partida. Semanas antes, Lidio Toledo havia bancado o corte de Romário para a Copa, por conta de lesão.

O velório começa às 19h deste sábado, na sede do Botafogo. O enterro será às 14h desse domingo, no Cemitério São João Batista, no bairro de Botafogo.

Lidio Toledo caminha ao lado do lateral Branco nos EUA, durante treino da seleção na Copa de 94
Gazeta Esportiva
Lidio Toledo caminha ao lado do lateral Branco nos EUA, durante treino da seleção na Copa de 94

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.