Tamanho do texto

Ingressos subsidiados pelo Governo são vendidos com ágio e torcedor pode comer churrasquinho e comprar camisa pirata

Camelô, churrasquinho e cambista. Apesar de a CBF (Confederação Brasileira de Futebol) e o COL (Comitê Organizador Local) da Copa do Mundo de 2014 usarem a partida amistosa deste sábado entre Brasil e Holanda (16h10), em Goiânia, como o primeiro evento teste para o Mundial, personagens tradicionais de jogos no país estão no estádio Serra Dourada.

Os cambistas agiam discretamente, sem o alarde tradicional, e negociavam ingressos que foram subsidiados pelo Governo estadual. Como mostrou o iG na terça-feira, o Estado comprou 18 mil ingressos, por R$ 2,5 milhões , e fez troca por R$ 200 de notas fiscais, mais cinco quilos de alimento. O valor, na bilheteria, era de R$ 140.

“É o do governo, sim. Vendo por R$ 200”, disse um cambista. Nos Mundiais, a Fifa tenta inibir os repassadores de ingressos, mas eles existem, como em qualquer evento mundial. A segurança fora do estádio é de responsabilidade de Polícia Militar, mas dentro é privada, como em Copas. A organização do evento contratou a empresa Prosegur.

A Fifa proíbe e inibe camelôs vendendo produtos piratas e barracas de comida nos arredores do estádio em Copas do Mundo. Camisas, sanduíches e afins somente em lojas oficiais, que são espalhados dentro e fora dos estádios. O Serra Dourada foi maquiado para a partida, o Governo estadual gastou R$ 1,9 milhão em melhorias para tentar se aproximar ao máximo do que a Fifa pede, mas do lado de fora não foi possível coibir os vendedores.

"Meu ponto de sempre aqui, mesmo quando tem jogos do Goiás, do Vila (Nova) ou do Atlético. A diferença é a cor das camisas, né”, disse Anderson, que não deu o sobrenome, que vendia camisas piratas do Brasil já descoloridas. Por R$ 20, que segundo ele no final do jogo viraria R$ 10, era possível comprar uma camisa 11 do Neymar.

A organização informou que o evento-teste segue o modelo que a Fifa pede e que, como era um primeiro jogo, alguns problemas aconteceriam e que será feito um relatório de análise para melhorias nos próximos testes. O jogo entre Brasil e Romênia, nesta terça-feira, em São Paulo, terá o mesmo modelo e a CBF já pediu à Fifa para poder realizar mais amistosos no Brasil para que possa realizar outros eventos deste porte. Só se pode realizar um jogo a mais cinco horas de vôo da Europa por ano, por pressão dos clubes europeus, que reclamavam de cansaço de seus atletas.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.