Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Estrutura do futebol mudará com racha entre clubes e entidades

Regras de televisionamento, formato de disputa, calendário e "poderosos" estão na berlinda da briga política

Marcel Rizzo, iG São Paulo |

A crise política entre a CBF (Confederação Brasileira de Futebol) e o Clube dos 13, que ocasionou racha entre os principais clubes do país, deve acabar em mudanças na estrutura do futebol brasileiro independentemente de quem “vencer” a batalha.

Dependendo da emissora que conseguir os direitos de transmissão para TV aberta do Campeonato Brasileiro no triênio 2012/2014, alterações em regras de televisionamento, no calendário, no formato de disputa e na divisão de poder na cúpula da CBF e do C13 (se esta entidade ainda existir) serão feitas. O iG apresenta quais as principais mudanças que deverão ocorrer, dependendo do grupo vencedor (não está descartado, é claro, um acerto entre os lados e a mescla de algumas dessas possibilidades).

Televisionamento
Vitória da Globo: A estratégia da emissora é negociar separadamente com cada clube. Se todos fecharem com ela, poderá passar os jogos sem problema. Ela pretende manter o atual horário para transmissão, 22h ao meio da semana e 16h/17h aos domingos. Emissora quer continuar transmitindo jogos para o Estado em que as partidas ocorrem e seis partidas, dentro do pacote a ser pago, para a cidade onde estejam acontecendo. Para agradar equipes como Corinthians e Palmeiras, que pretendem vender o nome de seus estádios para empresas, a Globo promete falar nas transmissões e programas a marca desses parceiros, algo que não faz hoje.

Vitória da Record: Seria feita pela concorrência que o Clube dos 13 apresentou em edital de licitação na quarta-feira (23 de fevereiro). Promete mudar o horário das partidas ao meio da semana, com jogos mais cedo (começando entre 20 e 20h30). Topa não transmitir partidas para os estados onde estejam ocorrendo, o que pode favorecer o pay-per-view, que será vendido separadamente. A emissora promete também citar marca de empresas parceiras dos clubes, mesmo que não comprem cotas publicitárias.

Fórmula de disputa

Getty Images
Andrés Sanchez pode se fortalecer como homem forte do futebol brasileiro se rebelião der certo
Globo: Marcelo Campos Pinto, executivo da emissora responsável pela negociação de direitos de transmissão, já falou publicamente que a preferência é pela volta do “mata-mata” para definir o campeão. Para mudança já em 2012 seria preciso criar uma Liga independente à CBF, ou seja, um novo campeonato a parte ao Brasileiro. Porque pelo estatuto do torcedor um regulamento só pode ser alterado dois anos antes de o torneio começar.

Record: Se o campeonato continuar organizado pela CBF, o formato pontos corridos seria mantido. Mas não é impossível que a Record avalie que o “mata-mata” é mais vantajoso financeiramente, para venda de publicidade, e negocie com CBF e clubes uma mudança para depois de 2012 ou até mesmo a criação de uma Liga, com a diferença que esta será patrocinada pelo Clube dos 13.

Calendário
Globo: O presidente do Corinthians, Andrés Sanchez , quer que o calendário mude para que os clubes possam realizar amistosos para arrecadar mais dinheiro. A emissora está disposta a brigar com as Federações estaduais para diminuir os campeonatos locais e deixar datas livres para que os times possam jogar onde quiser (com transmissão da Globo, claro). O Brasileiro, a princípio, seguiria de maio até dezembro.

Record: Não teria o direito de transmitir os estaduais num primeiro momento, por isso é favorável a diminuição desta competição, como gostaria Andrés Sanchez e os clubes que estão rompendo com o Clube dos 13. Problema é que as Federações locais ainda são fortes, principalmente porque emprestam muito dinheiro aos times. A princípio Brasileiro seguiria de maio até dezembro.

Poder no futebol
Globo/CBF: Andrés Sanchez e Marcelo Campos Pinto ganham projeção como sucessores de Ricardo Teixeira na presidência da CBF – ele prometeu deixar o cargo em 2015. O preferido de Teixeira é o executivo da Globo, apesar de ninguém falar abertamente sobre o assunto. Sanchez se tornaria um dos líderes dos clubes e poderia presidir a Liga, se fosse criada realmente.

Record/C13: Juvenal Juvêncio, presidente do São Paulo, e Alexandre Kalil, do Atlético-MG, seriam alçados a liderança do Clube dos 13, que continuaria como responsável por representar os clubes e poderia até mesmo ela criar uma Liga. Kalil, que costuma dar entrevistas mais ácidas, talvez não tenha cacife para liderar a entidade, mas Juvêncio seria o sucessor natural de Fábio Koff, atual mandatário da entidade. Koff admitiu isso em entrevista à “Folha de S. Paulo”. Na CBF, Ricardo Teixeira continuaria no poder, mas seus sucessores naturais perderiam força e ele seria forçado a escolher outros.
 

Leia tudo sobre: corinthiansflamengosao paulopalmeirassantosvasco

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG