Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Estrela no Pacaembu, Bomba aguarda convites para deixar o Piauí

Com acrobacias, massagista ganhou aplausos até mesmo da torcida do Palmeiras durante o jogo

Gazeta Esportiva |

O futebol tem o poder de construir ídolos de forma meteórica. No confronto contra o badalado Palmeiras, a humilde delegação do Comercial, do Piauí, apresentou ao país a simpatia e o talento do massagista Daniel de Souza Araújo, o Bomba. No jogo de ida em Teresina, ele chamou a atenção por sua corrida veloz que era terminada com uma cambalhota, antes mesmo do atendimento aos seus atletas.

A fama de Bomba chegou à capital paulista, no partida desta quarta-feira em que o Palmeiras goleou o Comercial-PI. Na primeira vez em que entrou no gramado do estádio do Pacaembu, recebeu aplausos dos torcedores palmeirenses. Durante o jogo, ouviu um coro das arquibancadas: "Bomba, Bomba, Bomba". Por fim, chegou a tirar um sorriso do técnico Luiz Felipe Scolari por sua autenticidade.

Agora, o massagista do Comercial-PI aguarda uma chance para alçar voos maiores na carreira. Bomba está aberto a convites de outros times do Brasil. "Se pintar propostas, eu vou. Eu me apresento em qualquer estádio", afirmou o piauiense nascido em Campo Maior, que se considera um verdadeiro artista.

Os companheiros de Comercial-PI classificam Bomba como um ídolo e torcem pelo seu sucesso no futebol brasileiro. "Ele está desde 1990 no Piauí, é simples, humilde. Só chegando aqui a São Paulo é que começou a ser visto no Brasil e até no mundo. É uma atração, um artista. Quem sabe possa sair para um time maior", comentou o goleiro Neto.

AE
Bomba já havia sido atração no jogo de ida, em Teresina-PI. No Pacaembu, arrancou risos e aplausos
Além do talento em divertir as pessoas, Bomba mostrou uma língua afiada no Pacaembu. Questionado sobre gosto em realizar massagens, ele tirou gargalhadas: "Com certeza, principalmente em mulher".

Por fim, o massagista fanfarrão ainda tomou a iniciativa de reclamar da arbitragem do gaúcho Marcio Chagas da Silva, alegando que as expulsões do zagueiro Rafael e do meio-campista Evandro foram decisivas para a goleada sofrida pelo Comercial. "Não tem time que ganhe assim", esbravejou.

Leia tudo sobre: vasco

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG