Tamanho do texto

Goleiro acha que sua entrada no time com Muricy não foi precipitada e que nunca deixou de trabalhar

Fora do time desde o dia 9 de fevereiro, Diego Cavalieri reassumiu a posição de titular contra o Bahia , no último sábado, no Engenhão, com naturalidade. Destaque da equipe na derrota por 1 a 0 para o time baiano , o goleiro disse nesta segunda-feira que está pronto para se firmar com a camisa do Fluminense e que não considerou precipitada sua entrada na equipe no lugar de Ricardo Berna no inicio da temporada.

“Eu acho que não. Quando eu cheguei aqui eu disse que estava pronto para jogar e me firmar no gol do Fluminense. Infelizmente as coisas não aconteceram como eu esperava e eu saí do time. Porém, não me abalei e continuei trabalhando. A oportunidade apareceu novamente e estou pronto para agarrá-la de vez”, afirmou.

Siga o iG Fluminense no Twitter e receba todas as informações do seu time em tempo real

Diego Cavalieri não guarda qualquer tipo de rancor pela barração do então treinador Muricy Ramalho . Sincero ao afirmar que já esperava uma readaptação complicada ao futebol brasileiro, o goleiro, porém, acredita que teve pouco tempo para recuperar ritmo de jogo e provar que estava pronto para ser o titular.

“Eu sempre me senti pronto para jogar, mas sabia que teria dificuldade assim que cheguei ao Fluminense. Tudo era muito diferente lá fora e é natural que o jogador leve tempo para se acostumar com mudanças de fuso, de treinamento, de temperatura, de tudo. Eu saí da equipe após cinco jogos.

Achei que tive pouco tempo para recuperar o ritmo, mas respeitei a decisão do treinador. Nunca deixei de trabalhar e estar preparado”, disse Diego Cavalieri.

“Entre para a Torcida Virtual do Fluminense e convide seus amigos”

Apesar da reserva no Liverpool (ING) e no Cesena (ITA) e por ter feito apenas dez partidas nas últimas duas temporadas antes de ser contratado pelo Fluminense, o goleiro afirmou que jamais se sentiu pressionado todas as vezes em que entrou em campo pelo clube das Laranjeiras.

“A expectativa era grande depois de tanto tempo sem jogar. Eu sabia que qualquer erro poderia gerar uma cobrança muito grande, mas não me senti pressionado em momento algum. Continuei trabalhando forte e sempre acreditei que teria uma nova oportunidade”, assegurou o goleiro.