Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Estatísticas mostram detalhes da derrota do Inter para o Mazembe

DAlessandro chamou o jogo, e Rafael Sóbis encontrou dificuldades com a defesa. Nei foi o que mais errou passes

Gabriel Cardoso, iG Porto Alegre |

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=esporte%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237882780341&_c_=MiGComponente_C

Com base nos dados do Footstats, o iG fez uma análise mais criteriosa da derrota do Inter para o Mazembe na semifinal do Mundial de clubes, na terça-feira. Alguns dados curiosos mostram que o meia-atacante D´Alessandro foi quem mais tempo ficou com a bola, enquanto Rafael Sóbis foi quem mais sofreu desarmes. Os zagueiros Índio e Bolívar tiveram o melhor aproveitamento nos passes, e o lateral-direito Nei foi o que mais errou.

O Inter perdeu para o Mazembe por 2 a 0 e vai enfrentar o Seongnam (da Coréia do Sul) na disputa do terceiro lugar. A partida será no sábado ao meio-dia (de Brasília). Os asiáticos foram derrotados pela Inter de Milão por 3 a 0. O clube gaúcho tem chegada prevista para Porto Alegre na próxima segunda-feira. Confira os números:

Posse de bola
Como já tinham feito no Brasileirão, o meia D´Alessandro e o lateral-esquerdo Kléber foram os jogadores que mais ficaram com a bola na derrota para o Mazembe. O argentino teve a posse durante dois minutos e 24 segundos e o lateral por dois minutos e 10 segundos. A bola ficou no domínio de Guinazu por um minuto e 43 segundos e em seguida vem o lateral-direito Nei com um minuto e 18 segundos. Entre os 11 titulares, foram os atacantes os que ficaram menos tempo com a bola: Alecsandro com 32 segundos, e Rafael Sóbis com 53 segundos.

Durante o jogo, a posse do Inter foi de 59,47% do tempo contra 40,53% dos africanos. No Brasileirão, o time foi o segundo neste quesito, perdendo apenas para o Corinthians.

Vipcomm
D'Alessandro foi o jogador que mais teve a bola nos pés diante do Mazembe
 

Passes
Os jogadores de defesa, com passes curtos, tiveram os melhores números. O goleiro Renan tentou 12 passes e acertou todos. Índio e Bolívar foram iguais: 28 tentativas e 27 acertos cada. O garoto Oscar, que entrou no segundo tempo, também só cometeu um erro, mas tentou 12 apenas passes. D´Alessandro foi o que mais acertou e o segundo que mais errou: 70 certos e 10 errados. O lateral-direito Nei foi o que mais desperdiçou a posse de bola, com 11 passes errados nas 45 tentativas que fez.

Renan também teve o melhor aproveitamento durante o Brasileirão: Acertou 97,8% dos passes. Bolívar (94,1%), Guinazu (93,9%) e Índio (93,2%) vieram na sequência. Entre os 14 jogadores que enfrentaram o Mazembe, foi Leandro Damião o que pior aproveitamento teve nos passes no Brasileirão: 75,6% de acerto, seguido de Alecsandro (83,4%) e Nei (85,1%).

Desarmes
O lateral-esquerdo Kléber foi o maior ladrão de bolas na partida contra o Mazembe, com quatro desarmes. Guinazu, Nei e Wilson Matias efetuaram três desarmes cada. O zagueiro Índio tentou duas vezes roubar a bola do adversário, mas não obteve sucesso. No Brasileirão, Guinazu (118 desarmes) e Matias (85) foram os que mais roubaram bolas.

Perdas de bola
Rafael Sóbis bem que tentou, mas encontrou dificuldades com a defesa africana. Acabou perdendo 10 vezes a bola. D´Alessandro e Kléber desperdiçaram seis vezes a posse, seguidos por Nei e Leandro Damião com cinco perdas cada.

Durante toda a competição nacional foi D´Alessandro quem foi mais desarmado: Uma média de 6,5 perdas de bola por jogo. Nei e Tinga, com 5,4 por jogo, aparecem em seguida.

Getty Images

Rafael Sóbis perdeu chances claras de gol na derrota do Internacional

Finalizações
Sóbis também foi líder nesta estatística. Tentou cinco finalizações, duas certas e três erradas. Alecsandro tentou chegar ao gol quatro vezes: finalizou certo uma vez e errou outras três. D´Alessandro também finalizou quatro vezes, mas em nenhuma acertou o gol. Wilson Matias (três vezes); Bolívar e Giuliano (duas); e Leandro Damião, Nei, Oscar e Tinga (uma vez) completam as 24 finalizações do Inter no jogo. Destes todos, apenas Matias e Giuliano acertaram o gol (uma vez cada).

No Brasileirão foi Alecsandro quem mais tentou o gol: uma média de 3,1 finalizações por partida. D'Alessandro, Rafael Sóbis e Damião tiveram média de 2,6 chutes por jogo. A média de finalizações do time no campeonato nacional foi de 14,3 chutes por jogo, bem inferior aos 24 chutes da terça-feira. Porém, no Brasileirão o Inter fez 48 gols em 38 jogos. Contra o Mazembe passou em branco.

Faltas
Kléber foi o caçador do time gaúcho: Cometeu sete faltas. Índio e Nei fizeram duas faltas, assim como o atacante Leandro Damião, que entrou no segundo tempo. O mais derrubado foi Rafael Sóbis, que sofreu quatro faltas. Guinazu foi parado três vezes. D´Alessandro, Tinga e Wilson Matias duas.

Se não tiveram que fazer faltas contra o Mazembe, os volantes Guinazu e Wilson Matias foram os que mais chegaram junto durante o Brasileirão. O argentino teve uma média de 2,8 faltas cometidas por jogo. Matias teve média de 2,5. Quem mais apanhou no Brasileirão foi D'Alessandro: uma média de 2,4 faltas sofridas nas 20 vezes que esteve em campo.

Cruzamentos
D'Alessandro foi quem mais tentou jogadas pelos lados do campo. Foram 10 cruzamentos, cinco deram certo e outros cinco foram errados. Kléber tentou oito vezes, mas só um cruzamento encontrou um jogador do Inter dentro da área.  Nei acertou dois cruzamentos e errou outros quatro.

A liderança dos três se repete no Brasileirão. Kléber teve uma média de 6,3 tentativas por jogo; D´Alessandro 4,9 e Nei 3,7 cruzamentos por partida.

Dribles
D'Alessandro tentou três dribles e superou os adversários em todas. Tinga e Sóbis também tiveram três tentativas, mas passaram duas vezes pelos adversários.

D'Ale também foi o driblador do Brasileirão. Foram 72 tentativas em 20 jogos (média de 3,6 por partida).

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG