Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Esperando por mais um título do Inter, Giuliano mira a seleção

Em entrevista exclusiva, o craque da Libertadores 2010 sonha com altos voos na Europa e descarta uma volta imediata ao Brasil

Gabriel Cardoso, iG Porto Alegre |

Um ano atrás, Porto Alegre estava em ebulição vendo o Internacional em mais uma final de Libertadores da América. Em 11 e 18 de agosto de 2010 o time venceria duas vez o Chivas, chegando ao bicampeonato do continente sul-americano.

12 meses depois, o torcedor do clube gaúcho se depara com mais uma decisão internacional. O Inter enfrenta o Independiente, nesta quarta-feira, pelo jogo de ida da Recopa. O iG foi conversar com o meia-atacante Giuliano, 21 anos, grande destaque, e escolhido o melhor jogador da Copa Libertadores 2010. Atualmente ele está na Ucrânia, veste a camisa do emergente Dnipro, na cidade de Dnipropetrovsk, onde a temperatura chega aos -20°C no inverno.

Giuliano deixou Porto Alegre em janeiro. Ele segue acompanhando o clube gaúcho, mantém contato com alguns jogadores no Brasil, e acredita que poderá voltar ao Inter, “mas não agora”, faz questão de ressaltar.

A ideia é seguir no futebol ucraniano, onde ele projeta que pode voltar a vestir a camiseta da seleção brasileira. Mas também “sem se acomodar”, pensando em alçar voos mais altos no exterior.

Divulgação/Site oficial do Dnipro (www.fcdnipro.ua)
Encarar o frio faz parte da adaptação de Giuliano
Giuliano ainda está em processo de adaptação. Mora com a esposa na Ucrânia. Se divide entre os treinos, o aprendizado do idioma local, mas sem perder o contato com o Brasil. Ele aponta cinco favoritos ao título do Brasileirão 2011.

No bate-papo, conta situações inusitadas que já passou longe da terra natal, e ainda deixa um recado aos leitores o iG: Pusst Gospod blagoslovit vashi jizni! O significado da expressão, e as histórias de Giuliano, você confere na entrevista exclusiva a seguir:

iG: O Internacional está perto de completar um ano do título da Libertadores de 2010. O que isso representa para quem foi escolhido o melhor jogador da competição?
Giuliano:
Um orgulho, uma satisfação muito grande de poder ser lembrado em um dia tão especial de conquista na minha vida e de todo torcedor colorado.

iG: Meio ano depois de deixar Porto Alegre, como você definiria sua passagem pelo Inter e os títulos que foram conquistados?
Giuliano:
Minha passagem pelo Inter foi maravilhosa, aconteceu tudo na hora certa, no momento exato. Foi pouco tempo de duração, apenas dois anos, mas com muitas conquistas tanto individuais como coletivas. Títulos importantes que fizeram com que eu desse um salto na minha carreira.

Divulgação/Site oficial do Dnipro (www.fcdnipro.ua)
Encarar o frio faz parte da adaptação de Giuliano
iG: Se a sua passagem por Porto Alegre tivesse que ser definida em um momento, um lance, uma jogada, ou um gol... Qual seria?
Giuliano:
E impossível deixar de citar o gol da Libertadores, na Argentina, contra o Estudiantes! Quando tudo estava contra, estávamos perdendo de 2x0, jogando fora de casa, torcida adversária comemorando, nosso torcedor desacreditado, pouco tempo para acabar a partida. Em um lance tudo se transformou, o estádio se calou, só se ouvia nosso torcedor gritando enlouquecido. O que era tristeza virou alegria em poucos segundos. Esse foi o momento mais importante e emocionante que eu proporcionei na minha passagem pelo Inter. (Giuliano fez o gol que classificou o Inter para as semifinais aos 43 minutos do segundo tempo).

iG: Você acha que ficou mais longe da seleção brasileira por jogar em um campeonato que não tem tanta visibilidade? Acredita em um novo chamado para a seleção?
Giuliano:
A Ucrânia esta crescendo muito em visibilidade, o Shakhtar joga Champions League, o Dínamo também, e agora nos temos a oportunidade de entrar em uma Europa League. Vamos disputar um jogo de ida e volta classificatório para a fase de grupos. Recentemente estiveram na seleção jogadores que atuam aqui no pais, então isso me motiva, me faz acreditar que realizando um ótimo trabalho, conquistando títulos, terei a oportunidade de voltar para a seleção.

iG: Consegue acompanhar o Inter aí? O Que está achando do time?
Giuliano
: Acompanho o Inter por internet, assisto quando possível, falo com alguns jogadores por telefone, fico sempre na torcida quando jogam! Esse ano mudaram algumas peças no elenco, mudança de treinador, filosofias diferentes, isso leva algum tempo para os jogadores assimilarem. O Inter não atravessou uma fase muito boa, mas agora esta ganhando confiança novamente e vai com certeza brigar pelo titulo do Brasileiro.

iG: Quem são os favoritos no Brasileirão?
Giuliano
: Corinthians pelo momento que vive, e pela competência do Tite, Santos por jogar sempre pra frente, dentro e fora de casa, Flamengo pela genialidade do Ronaldinho e a força de sua torcida, São Paulo pela tradição de Campeonatos Brasileiros, conhece muito bem a formula da vitória, e o Inter pela força coletiva e capacidade de superar momentos difíceis numa competição que é longa.

Divulgação/Site oficial do Dnipro (www.fcdnipro.ua)
Encarar o frio faz parte da adaptação de Giuliano
iG: A sua ideia é seguir bastante tempo na Ucrânia? O que você projeta para a sua carreira?
Giuliano:
Eu tenho contrato de cinco anos, sou novo, ainda tenho 21, mas não posso e não vou me acomodar. Quero estar jogando no melhor nível possível, ajudar minha equipe em todas as competições, voltar à seleção, ter novas oportunidades na Europa. E a partir desses objetivos traçar novas metas.

iG: Já foi procurado por algum time do Brasil com o interesse de repatriar você? Será que um dia você volta para o Inter?
Giuliano:
Não fui procurado por nenhuma equipe brasileira, até porque cheguei há pouco tempo aqui. Quero fazer história aqui, disputar competições europeias. Eu deixei uma história muito bonita no Inter, fiz muitos amigos. É um clube sensacional para trabalhar, saí pela porta da frente, e isso sempre é bom. Não sei o que vai acontecer no futuro, mas o Inter com certeza é uma equipe que eu pensaria com muito carinho para voltar a jogar. Mas não agora.

Divulgação/Site oficial do Dnipro (www.fcdnipro.ua)
Encarar o frio faz parte da adaptação de Giuliano
iG: Como está sendo a adaptação na Ucrânia? Já está repetindo aquele futebol que encantava no Beira-Rio?
Giuliano:
A adaptação no começo sempre é muito difícil, tudo é novo, tudo é diferente, agora estou mais adaptado, moro com minha esposa em uma casa aconchegante e fazemos dela a nosso cantinho brasileiro. Nos divertimos, falamos com os familiares por internet e isso ajuda bastante nesse processo. Quando cheguei aqui sabia que não seria de início o mesmo Giuliano que estava sendo no Inter, e agora com um melhor entrosamento, com uma melhor adaptação do futebol ucraniano, vou melhorando gradativamente o meu rendimento.

iG: Que diferenças te chocaram mais na mudança para um país tão distante? Passou por alguma situação diferente ou engraçada?
Giuliano:
O que mais me chocou foi o frio, estava acostumado, nasci em Curitiba e morava em Porto Alegre, mas nunca tinha visto neve e nem tinha sentido -22°C! A primeira coisa que eu fiz quando cheguei aqui foi brincar na neve (risos). As situações engraçadas passavam quase todos os dias, o pessoal falava comigo e eu não entendia nada, era para comer e eu estava pronto para ir treinar, coisas do idioma. Agora já não faço mais.

iG: O Campeoanto Ucraniano está começando. Tem como parar o Shakhtar, que dominou as últimas duas temporadas?
Giuliano:
O Shakhtar sempre é a equipe a ser batida no Campeonato Ucraniano, um time com muito talento no ataque, com muitos brasileiros que fazem a diferença, são sempre favoritos. Esperamos essa temporada fazer grandes jogos contra eles e, se possível, brigar ate o final do campeonato pelo titulo.

iG: Já aprendeu a se comunicar por aí? Como faz pra lidar com a barreira do idioma? Deixa uma mensagem para os leitores do iG.
Giuliano:
A língua é muito difícil, eles te falam “oi” e parece que estão brigando, mas aos poucos a gente vai entendendo alguma coisa. Fala um pouquinho de inglês com um, faz mímica com outro, e no final a gente se entende. Para os leitores uma mensagem em russo: “Pusst Gospod blagoslovit vashi jizni” (Deus abençoe a vida de todos vocês).

Leia tudo sobre: InternacionalGiulianoRecopa 2011UcrâniaDnipro

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG