Atacante não pode tocar na bola na Copa América que torcida o vaia. “Ninguém bate em cachorro morto”, diz Wagner Ribeiro

Neymar faz o segundo gol contra o Equador, na vitória por 4 a 2 , e coloca a mão ao lado da orelha, gesto tradicional que no futebol quer dizer “me vaiem agora”. Talvez seja o cabelo moicano, talvez sejam os dribles ou então a frase que lhe foi atribuída por Diego Maradona, de que pretendia tomar o posto de melhor do mundo de Lionel Messi (que o atacante nunca disse), mas ele não pode tocar na bola que o estádio se une em vaias.

Sábado passado os paraguaios dominaram 80% do estádio em Córdoba (empate por 2 a 2) e não deram descanso e até um torcedor com a camisa do Cerro Porteño dizia que ainda estava com raiva pela eliminação na semifinal da Libertadores . Na quarta-feira, o rival foi o Equador, mas foram os argentinos que foram ao estádio “secar” o Brasil que ficaram roucos de tanto gritar “uhuuuuuuuuuuuuuu” para Neymar, que apesar do gesto parecia não estar nem aí. Foram dois gols e sua melhor atuação na competição.

“Ninguém chuta cachorro morto”, disse Wagner Ribeiro, o empresário do jogador, ao iG . “Os zagueiros e os torcedores têm medo do Neymar, por isso tentam tirá-lo do sério com provocações dentro do campo e com vaias. Mas não adianta”, disse Ribeiro.

O empresário chega à Argentina no sábado, para ver o jogo contra o Paraguai pelas quartas de final (domingo, 16h, em La Plata) e a semifinal, caso o Brasil avance (quarta-feira, 21h45, em Mendoza, contra o vencedor de Chile e Venezuela). O pai do garoto, também Neymar, já está no país quase desde o início da competição e ajuda o filho a não se intimidar com vaias em almoços e conversar nas raras folgas.

Para semp re
Com a camisa da seleção, Neymar foi vaiado pela primeira vez em Londres , no amistoso de 29 de março deste ano contra a Escócia. Não que os escoceses quisessem intimidá-lo por achar que o atacante possa tomar o lugar de Messi, como os argentinos, mas eles entenderam que o brasileiro simulou lesão em um lance e não perdoaram. Neymar também não perdoou e fez os dois gols da vitória por 2 a 0.

“Ele vai ter que se acostumar a jogar sob pressão, porque vai ser visado por todos”, disse o técnico Mano Menezes. “Tem que entrar por um ouvido e sair pelo outro”.

O jogador também está visado porque dia sim, dia não, aparece na imprensa europeia como vendido. Cotado para defender o Real Madrid em 2012, mas também desejado pelo Barcelona, Neymar tem um estilo de jogo que está escrito em suas chuteiras: ousadia e alegria, que irritam adversários e torcedores rivais. “´Se for jogar na Europa, terá que se acostumar, porque será amado por uma torcida, mas odiado por todas as outras”, avisou Ribeiro. Ser ousado e alegre no futebol de hoje em dia não é fácil...

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.