Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Empate se tornou uma raridade no clássico mineiro

Nos últimos 19 jogos entre Cruzeiro x Atlético-MG, apenas dois terminaram com igualdade no placar

Frederico Machado, iG Belo Horizonte |

Flickr/Clube Atlético Mineiro
Renan Ribeiro pode garantir o título ao Atlético-MG caso não sofra gols na Arena do Jacaré
Muito se diz que clássico é um jogo truncado, quando as equipes se estudam muito e a qualidade técnica tende a se nivelar. Nesse caso, os empates acabam sendo um resultado comum, que acaba não sendo uma tragédia para nenhum dos dois lados envolvidos na disputa. Mas em Minas Gerais, quando Cruzeiro e Atlético-MG se enfrentam a história tem sido outra. Nos últimos 19 jogos entre os maiores rivais, apenas dois empates.

De 2007 para cá, apenas dois jogos entre os times de maiores torcidas do Estado terminou empatado. Um 0 x 0 em 2008, pelo Campeonato Mineiro, e um 1 x 1 também pelo Estadual de 2009. O time azul tem levado vantagem, tendo conquistado 13 vitórias. Já o lado alvinegro se vangloria de ter levado a melhor nos três últimos clássicos, todos de torcida única.

Para o Atlético-MG, basta um empate para levantar o caneco, já que venceu o primeiro jogo da decisão por 2 a 1. Se o goleiro Renan Ribeiro não sofrer gols na Arena do Jacaré, o ataque nem precisa funcionar que um 0 x 0 dá o título para o time de Dorival Júnior.

“Assim como a torcida, eu também espero não levar gols e ser campeão. Nós sabemos as dificuldades que encontraremos.É um jogo difícil e que vai ser decidido nos detalhes. Quem errar menos será o campeão”, disse o goleiro Renan Ribeiro, que revelou que esteve no Mineirão torcendo na final do Mineiro contra o Ipatinga no ano passado.

O atacante Thiago Ribeiro, do Cruzeiro, volta de contusão e espera que o clássico seja um jogo aberto, assim como tem acontecido no histórico do confronto. “Bom que o jogo seja aberto mesmo. Acredito que o Atlético vai jogar fechado e nos contra-ataques para explorar um erro nosso. Temos que jogar em cima, do primeiro ao último minuto. Estádio todo lotado, com torcida do Cruzeiro. Não podemos decepcionar nem a torcida e nem a nós mesmos. Partir para cima com inteligência. Não adianta todo mundo querer atacar e deixar lá atrás tudo desarrumado”, receitou o atacante do Cruzeiro.
 

Leia tudo sobre: CruzeiroAtlético-MGCampeonato Mineiro 2011

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG