Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Em visita ao Brasil, Fifa evita novo presidente do COL e da CBF

Joseph Blatter se reúne com Dilma Rousseff, mas não encontrará José Maria Marin

Paulo Passos, iG São Paulo |

A visita de Joseph Blatter, número 1 da Fifa, nesta sexta-feira ao Brasil se resumirá ao encontro com a presidenta Dilma Rousseff, que estará acompanhada do ministro do Esporte, Aldo Rebelo, e de Pelé . Ninguém do COL (Comitê Organizador Local da Copa) foi chamado para o encontro.

Getty Images
José Maria Marin assumiu o cargo na última segunda-feira
A Fifa descartou se reunir com o novo presidente do órgão, José Maria Marin , que assumiu o cargo na última segunda-feira, após a renúncia de Ricardo Teixeira . “A entidade está focada, neste momento, no encontro com a presidenta Dilma Rousseff. Depois poderá haver um encontro com o COL”, afirmou a assessoria de imprensa da Fifa ao iG.

Vivendo uma crise institucional com a renúncia de Ricardo Teixeira, envolvido em denúncias de corrupção, COL e a CBF (Confederação Brasileira de Futebol) têm José Maria Marin como mandatário das entidades. Um dia após a posse do novo mandatário, o site da Copa do Mundo da Fifa divulgou uma nota anunciando o novo presidente. Não havia nenhuma declaração de Blatter sobre o cartola.

Sem trânsito com o Governo Federal nem com a Fifa, o COL não consegue exercer a sua função de ser o interlocutor do Brasil com a entidade que organiza o Mundial. O iG apurou que, assim como aconteceu no último ano da gestão do Ricardo Teixeira, o COL não será recebido pelo Planalto, que só admite negociar pontos referentes à Copa com a Fifa .

O Comitê nega que o fato de Marin não ser recebido por Dilma e Blatter demonstre falta do prestígio da entidade. “Esse encontro de sexta é para aparar arestas por problemas entre os dois (governo e Fifa). Nós não temos nada a ver com isso”, disse ao iG um funcionário do COL.
Getty Images
Último encontro de Dilma e Blatter, em 2011, teve Ricardo Teixeira, então presidente do COL e da CBF


Chute no traseiro
Um dos motivos da viagem de Blatter é tentar aparar as arestas com o Governo Federal após o incidente do “chute no traseiro” . A declaração do secretário-geral da Fifa Jérôme Valcke o levou a ser vetado pelo ministro do Esporte, Aldo Rebelo, como interlocutor da entidade com o país.

Valcke tinha viagem marcada para o Brasil nesta semana. Porém, cancelou após o incidente. Blatter tentará na conversa com Dilma Rousseff mantê-lo como seu interlocutor. O secretário-geral da Fifa é o principal executivo da organização do Mundial. Foi assim na África do Sul, onde tampouco poupou os africanos de críticas durante a organização do torneio.


 

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG