Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Em São Paulo, Ricardo Teixeira não comenta denúncias, e CBF fala em perseguição de ingleses

Segundo jornal suíço, o presidente da entidade máxima do futebol no Brasil teria recebido US$ 9,5 milhões da extinta empresa de marketing ISL, entre 1992 e 1997

iG São Paulo |

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=esporte%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237854263444&_c_=MiGComponente_C

O presidente da CBF (Confederação Brasileira de Futebol), Ricardo Teixeira, não irá se pronunciar sobre as denúncias publicadas nesta segunda-feira pelo jornal suíço Tages-Anzeiger. A publicação divulgou que o brasileiro recebeu US$ 9,5 milhões da empresa de marketing esportivo ISL.

As remessas eram feitas com valores de US$ 250 mil cada (cerca de R$ 433 mil, em valores atuais), em uma empresa fantasma que seria a Sanud Establissement, registrada na cidade de Domizil. O jornal não soube explicar por que Teixeira recebeu o dinheiro.

Segundo o diretor de comunicação da CBF, Rodrigo Paiva, a entidade também não irá divulgar nenhum comunicado negando a notícia. Não tem nada de novo. É uma denúncia antiga. Estamos em época de eleição para a sede da Copa do Mundo e, por questões políticas, surgem essas denúncias, afirmou.

De acordo com Paiva, a candidatura da Inglaterra estaria plantando informações para prejudicar os países que não apóiam o país na tentativa de receber. A escolha das sedes para as Copas de 2018 e 2022 acontece na próxima quinta-feira. A CBF e as outras federações de países da América do Sul abriram seus votos para a candidatura conjunta de Espanha e Portugal. 

Novo presidente da Fifa?
Ricardo Teixeira participou nesta segunda-feira de um debate do Grupo de Líderes Empresariais. O presidente da CBF respondeu a perguntas dos empresários durante mais de uma hora. A coletiva de imprensa, prevista para depois do almoço, entretanto, foi cancelada, segundo a organização do evento, por solicitação de Teixeira, que tinha vôo para o Rio de Janeiro.

No material de divulgação do encontro com empresários, o presidente da CBF foi apresentado como postulante ao cargo de dirigente máximo da Fifa. Ricardo Teixeira deve assumir a Fifa após o Mundil de 2014, afirmava o texto de divulgação do evento. O dirigente, entretanto, ainda não anunciou oficialmente que pretende concorrer ao cargo.

Teixeira esquece atraso em Natal
Durante o evento em São Paulo, o presidente da CBF afirmou que, exceto a arena do Corinthians, todos os estádios que têm previsão de receber o Mundial de 2014 estão com as obras iniciadas. Teixeira ignorou o caso de Natal, onde na última semana nenhuma empresa apresentou proposta na licitação do estádio.

As obras da Arenas das Dunas ainda não iniciaram e a capital do Rio Grande do Norte corre o risco de não ter estádio para receber jogos da Copa de 2014. Não será reduzido o número de sedes. Serão 12 cidades, como está previsto, afirmou Teixeira durante o debate com os empresários. 

Leia tudo sobre: copa 2014copa do mundofifafutebol internacional

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG