Variação no nível de tensão teria cortado energia do estádio. Clube admite falta de no-breaks no jogo

O terceiro 'apagão' do ano nos refletores do estádio Engenhão , ocorrido na vitória por 2 a 1 sobre o Grêmio no último domingo, fez o clube carioca ser notificado pelo Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia do Rio de Janeiro (Crea-RJ) na manhã desta segunda-feira. Segundo o órgão, o clube poderia evitar a falta de luz com a instalação de no-breaks , equipamento que já possui, mas não estariam sendo usados.

Siga o iG Botafogo no Twitter e receba todas as informações do seu time em tempo real

No início da noite desta segunda-feira, o Botafogo divulgou nota oficial onde revela que a queda aconteceu por uma oscilação no fornecimento de energia, que determinou o desligamento automático de um dos controladores de energia do Engenhão. No comunicado, o clube também admite que os no-breaks não estavam sendo utilizados e que o motivo da queda não tem relação com os episódios anteriores .

Leia a nota oficial do Botafogo na íntegra:
1 - O Stadium Rio mantém contratos com as empresas Elecomtec e Engeprime para a manutenção preventiva e corretiva dos equipamentos do estádio.

2 - Uma equipe formada por técnicos das empresas citadas e funcionários da administração do estádio está presente em todas as partidas realizadas no local.

3 - O Stadium Rio possui equipamentos de última geração que possibilitam a operação totalmente automatizada da energia do estádio.

4 - O estádio possui mais de 100 unidades controladoras de energia (UNCs), que avaliam o fornecimento de energia externo e os níveis de tensão. Por motivo de segurança, as UNCs automaticamente cortam a corrente do estádio em caso de interrupções no fornecimento externo ou oscilações significativas nos níveis de tensão, eventos raros mas de responsabilidade da empresa fornecedora. Uma oscilação no fornecimento de energia determinou o desligamento de uma UNC na partida deste domingo e acarretou o desligamento automático de todas as outras UNCs.

5 - Os no-breaks (estabilizadores) funcionam nesta situação para impedir a interrupção no fornecimento de energia aos equipamentos e acionar os geradores do estádio, evitando a queda de luz. O estádio possui 4 no-breaks, nos quais, neste momento, o clube investe cerca de R$ 200 mil para a aquisição de peças, algumas importadas, necessárias para manutenção.

6 - A equipe de operação do estádio em dias de jogos tem operado o estádio durante as últimas partidas sem a utilização dos no-breaks.

7 - Após a queda de energia na partida deste domingo, a equipe responsável pela operação do estádio em dias de jogos prontamente religou a energia em modo manual, acendendo em seguida os refletores dos setores Norte e Sul (atrás dos gols). O reacendimento dos refletores dos setores Leste e Oeste somente ocorreu após o resfriamento destes, procedimento comum nestes equipamentos.

8 - A administração do estádio ratifica que a causa da queda de energia do estádio neste domingo não tem qualquer relação com os episódios anteriores.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.