Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Em meio a problemas de corrupção, Fifa revela sedes das Copas de 2018 e 2022 nesta quinta

Candidaturas de Bélgica-Holanda, Espanha-Portugal, Inglaterra e Rússia disputam Mundial de 2018. Austrália, Coreia do Sul, Catar, EUA e Japão pleiteiam evento de 2022

Bruno Pessa, iG São Paulo |

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=esporte%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237854361721&_c_=MiGComponente_C

Pela primeira vez as sedes de duas Copas do Mundo de futebol serão conhecidas no mesmo dia e evento. Os países que sucederão o Brasil, anfitrião da próxima Copa em 2014, em 2018 e 2022 virão ao conhecimento do planeta nesta quinta-feira em Zurique, onde fica a sede da Fifa (Federação Internacional de Futebol). O anúncio esperado por nove candidaturas está previsto para acontecer da boca do presidente Joseph Blatter por volta das 16h locais, o que corresponde às 13h pelo horário de Brasília, encerrando um pleito que se revelou conturbado por denúncias de corrupção.

O processo aberto em 15 de janeiro de 2009, que deixou pelo caminho México e Indonésia, de última hora se transformou em enorme dor de cabeça para a Fifa. A divulgação de informações sobre subornos aos membros da entidade, sobretudo na imprensa inglesa, tirou parte do brilho da eleição e a transformou na mais complicada das últimas décadas, depois das tranquilas escolhas da África do Sul para 2010 (em 2004) e do Brasil para 2014 (em 2007).

Antes do começo da Copa deste ano, o presidente da candidatura da Inglaterra, David Triesman, fez acusações contra a Espanha e a Rússia, mas depois voltou atrás. Segundo ele, os espanhóis ofereceram renunciar de sua candidatura para apoiar os russos, em troca de ajuda para subornar árbitros que lhe favorecessem no Mundial da África do Sul. A Inglaterra protestou depois que a Rússia falou sobre o "alto índice de criminalidade" em Londres e de grande consumo de álcool entre seus jovens, e, em meados de outubro, uma informação do jornal britânico "Sunday Times" colocou ainda mais lenha na fogueira.

Alguns jornalistas do periódico se fizeram passar por empresários que apoiavam os EUA e ofereceram dinheiro a dirigentes da Fifa. O nigeriano Amos Adamu pediu aproximadamente 570 mil euros (R$ 1,2 mi), enquanto o taitiano Reynald Temarii, um dos sete vice-presidentes da entidade e presidente da Confederação de Futebol da Oceania, admitiu ter recebido ofertas entre US$ 10 e 12 milhões (R$ 17 a 20 milhões) de outros dois candidatos. A Fifa interveio rápido: suspendeu provisoriamente os envolvidos e, depois, confirmou a punição por três anos para Adamu e um para Temarii.

Em outro caso, o ex-secretário-geral da Fifa, Michel Zen-Ruffinen, foi filmado falando de uma possível combinação de votos entre a candidatura conjunta de Portugal e Espanha e a do Catar. No entanto, não foram encontrados indícios, e Ruffinen foi declarado persona non grata. A rede de TV britânica "BBC" criou nova polêmica na segunda-feira ao divulgar que três membros do Comitê Executivo da Fifa, entre eles o presidente da CBF (Confederação Brasileira de Futebol), Ricardo Teixeira, haviam recebido milionárias comissões entre 1998 e 1999. O organismo respondeu que o caso já foi investigado pelas autoridades judiciais suíças e nenhum membro foi condenado.

Esse complicado cenário geral por trás das escolhas das Copas levou Blatter a questionar se foi adequado optar por anunciar a sede de dois Mundiais ao mesmo tempo e a admitir a existência de inevitáveis acordos para a troca de votos entre as candidaturas - crítica feita, por exemplo, por Franz Beckenbauer, ex-jogador alemão e membro do Comitê Executivo da Fifa.

Regras e personagens
Na disputa por 2018, duas das quatro candidaturas são duplas, com países vizinhos que se uniram na expectativa de repetir o feito de Japão e Coreia do Sul em 2002: Bélgica-Holanda e Espanha-Portugal, que concorrem com Inglaterra e Rússia.

Na briga por 2022, cinco países concorrem individualmente: Austrália, Catar, Coreia do Sul, Estados Unidos e Japão. Espanha (atual campeã mundial), Inglaterra (vencedora em 1966), EUA, Coreia e Japão tentam sediar a Copa pela 2ª vez. Holanda (três vezes vice-campeã), Portugal, Bélgica, Rússia, Austrália e Catar nunca tiveram essa honraria.

Os 22 membros que formam atualmente o Comitê Executivo da Fifa, no qual há oito dirigentes de países interessados, votarão de forma secreta após assistirem pela última vez aos nove candidatos. As apresentações dos postulantes em Zurique, com uma hora de duração cada, começarão na quarta-feira pela tarde (14h do horário local), serão interrompidas no ínício da noite e terminarão no período da manhã de quinta. O sistema de escolha é o mesmo de Copas anteriores e também o das eleições de sedes de Jogos Olímpicos. Caso não haja maioria absoluta no "primeiro turno", apenas uma postulante será eliminada e então uma nova votação será realizada, até que restem apenas duas candidatas.

Além de personalidades ligadas às candidaturas (como William, príncipe inglês, os primeiros-ministros de Inglaterra, Espanha e Potugal e o ex- presidente dos EUA Bill Clinton), cerca de mil jornalistas são esperados para cobrir a divulgação das sedes, com aproximadamente 70 emissoras de televisão realizando transmissões direto da Suíça. O site da Fifa informa que transmitirá ao vivo as apresentações dos candidatos e os anúncios dos vencedores.

Onde você quer que aconteça a Copa de 2018?


 

Bélgica e Holanda

Espanha e Portugal

Inglaterra

Rússia



A consulta é realizada somente entre internautas e não tem valor de amostragem científica

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG